“TAP não pode continuar a fazer adiantamentos à Groundforce sem garantias firmes”, diz Pedro Nuno Santos

O ministro disse hoje que a TAP já fez um total de 12,3 milhões de euros em adiantamentos à Groundforce e que não pode continuar a fazer estas transferências sem ter mais garantias de que vai receber o dinheiro de volta por parte do acionista privado da companhia.

Cristina Bernardo

O Governo defendeu hoje que a TAP não pode continuar a fazer adiantamentos de dinheiro à Groundforce sem ter “garantias firmes” de que o valor vai ser devolvido na sua totalidade.

“A TAP está numa situação de grande dificuldade, a negociar o plano de reestruturação com Bruxelas. Não pode continuar a fazer adiantamentos sem garantias firmes”, disse o ministro das Infraestruturas na noite desta quinta-feira em conferência de imprensa.

“A TAP exigiu como garantia ações do acionista privado Groundforce e tinha exigido o pagamento da dívida até 15 de março. Se não fosse pago, a TAP pode executar. O acionista não aceitou e exigiu que só pudesse ser executada depois de o empréstimo chegar à empresa. Aceitamos a exigência”, afirmou Pedro Nuno Santos.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal, de Alfredo Casimiro, com o grupo TAP a deter 49,9%, com a companhia aérea a ser detida em 72% pelo Estado português.

A empresa vive uma situação financeira frágil, e os 2.400 trabalhadores ainda não receberam os seus salários de fevereiro. Os trabalhadores têm realizado várias ações de protesto esta semana, e para amanhã está marcada uma manifestação à porta do ministro das Infraestruturas em Lisboa a partir das 11h30.

Em relação às acusações por parte do acionista privado que o Governo tem a intenção de nacionalizar a TAP, o ministro rejeitou essa possibilidade. “Não queremos ficar com a Groundforce. A TAP não pode manter a posição na empresa de handling. Não está em causa querer nacionalizar a companhia”.

O ministro adiantou que a Groundforce já está a dever 12,3 milhões de euros à TAP e que a companhia aérea não pode correr riscos, pois ela própria encontra-se numa situação de “grande dificuldade” e a negociar um plano de reestruturação com Bruxelas”.

“A TAP tem feito um grande esforço para apoiar a Groundforce, e tem a haver 12,3 milhões de euros de adiantamentos por serviços prestados e não prestados para apoiar a empresa de forma a poder pagar salários. Era impossível a TAP continuar a exportar para a Groundforce sem exigir garantias que protegessem a TAP”, afirmou hoje o ministro em conferência de imprensa no ministério das Infraestruturas em Lisboa.

Ler mais
Relacionadas

Pedro Nuno Santos: “Não queremos nacionalizar a Groundforce”

O ministro rejeitou hoje as acusações do acionista privado da empresa de handling.

TAP propôs à Groundforce pagar 100% do empréstimo até 31 de agosto

Segundo a carta de resposta enviada pela TAP à Groundforce, 50% do empréstimo de dois milhões de euros teria de ser saldado até ao final de março, com o restante valor a ser pago em tranches até ao final de agosto. Caso a Groundforce recebesse o empréstimo de 30 milhões de euros que está a negociar, teria de saldar imediatamente a dívida.

Acionista da Groundforce diz que “resposta de Pedro Nuno Santos foi insultuosa” e que ministro quer “nacionalizar” a empresa

Alfredo Casimiro criticou duramente a resposta dada pelo ministro das Infraestruturas à sua proposta para desbloquear a situação financeira na Groundforce. Os salários de 2.400 trabalhadores da empresa relativos a fevereiro continuam por pagar. Pedro Nuno Santos quer “nacionalizar a Groundforce e entregá-la daqui a uns tempos a outro privado”, acusa o empresário.
Recomendadas

Lucro da Galp terá disparado 62% no primeiro trimestre com subida do preço do petróleo

A subida para 47 milhões de euros terá sido impulsionada pela unidade exploração e produção de petróleo e gás natural, que segundo o consenso das estimativas de 23 analistas divulgado pela empresa terá registado um aumento homólogo de 46,5% no EBITDA – resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização – para 419 milhões de euros.

“Centros comerciais são espaços responsáveis de consumo”, defende administradora da Sonae Sierra

Os centros comerciais reabriram esta segunda-feira e neste período de desconfinamento que se quer gradual, são alguns os cuidados a ter neste regresso às compras. Nesta “Fast Talk” da JE TV, Cristina Santos, administradora responsável pela gestão de centros comerciais da Sonae Sierra, explica como foi a preparação para a reabertura dos serviços não essenciais destes espaços.

Da relação entre Marcelo e Salgado às moradas falsas dos deputados. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.
Comentários