TAP regista prejuízos de 120 milhões no primeiro semestre

Quebra nas receitas com o Brasil e aumento de custos de pessoal foram alguns dos motivos que geraram este resultado negativo.

TAP Portugal

A TAP registou prejuízos acumulados de 120 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, “valor que compara com com 709,1 milhões de euros negativos no primeiro semestre de 2018”, de acordo com o relatório e contas intercalar da transportadora aérea nacional referente ao primeiro semestre deste ano enviado há minutos para a CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

O EBIT (resultado operacional) da companhia na primeira metade deste ano atingiu os 85 milhões de euros negativos, um desempenho pior em 39,2 milhões de euros que no período homólogo do ano anterior.

Segundo a administração da TAP, este comportamento ficou a dever-se “à fraca ‘performance’, registada no primeiro trimestre, já que o segundo trimestre registou um valor positivo de 16,4 milhões de euros (um aumento de 14,5 milhões de euros face ao mesmo período de 2018)”.

Também se registou uma quebra de receitas companhia aérea nacional no mercado brasileiro no valor de 43,1 milhões de euros de janeiro a junho deste ano.

“No que se refere à posição financeira da TAP, no final do primeiro semestre de 2019, o capital próprio situou-se nos 107,2 milhões de euros, um aumento de 2,4 milhões de euros face ao final de 2018, explicado pelo efeito positivo da adopção da IFRS 16 [norma contabilística] em ‘Resultados transitados’ e dos aumento das ‘Reservas de justo valor’, quer mais do que compensou o resultado líquido negativo no semestre”, esclarece o referido comunicado da TAP.

O mesmo documento acrescenta que “a dívida líquida remunerada (excluindo ‘leasings’ operacionais) no final do primeiro semestre de 2019 situou-se nos 691,3 milhões de euros, um incremento de 139,1 milhões de euros (+ 25,2%), quando comparado com o final de 2018”.

“De destacar o reforço significativo da posição de caixa e equivalentes, atingindo os 386,7 milhões de euros, um aumento de 163 milhões de euros face ao final de 2018 (+ 72,9%)”, assinala o referido comunicado.

No plano operacional, a TAP encerrou o primeiro semestre deste ano cm um valor recorde de passageiros transportados, atingindo os 7,9 milhões, mais 4,8% que no período homólogo do ano passado.

A companhia aérea destaca ainda a entrada ao serviço de 15 novos aviões (Airbus Neo) no período em análise, com a saída de cinco aeronaves mais antigas.

 

Ler mais
Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários