Tauromaquia: CDS acusa Governo de “ditadura do gosto”, executivo fala em “questão de civilização”

A redução do IVA nos espectáculos suscitou o tema da tauromaquia. CDS acusa o Governo de proceder a uma “ditadura de gosto” mas a ministra respondeu.

Cristina Bernardo

A ministra da Cultura admitiu hoje discutir em sede de especialidade do Orçamento um eventual alargamento dos espetáculos abrangidos pela redução do IVA de 13% para 6%, mas excluiu a tauromaquia por ser uma questão de civilização.

Estas posições foram transmitidas pela nova ministra Graça Fonseca na parte final do segundo e último dia de debate na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2019, depois de ter sido confrontada com críticas do BE, PCP, mas sobretudo pelo CDS-PP, face ao caráter limitado da medida que reduz o IVA dos espetáculos, deixando de fora, por exemplo, espetáculos em recintos abertos.

“A proposta do Governo representa uma melhoria face ao que atualmente existe. Temos estado a ouvir várias intervenções [políticas] e agentes do setor. Eu própria irei reunir com alguns durante esta fase. Esta é já uma melhoria e o resto discutiremos em sede de especialidade”, começou por responder a titular da pasta da Cultura.

Já sobre a queixa da deputada do CDS-PP Vánia Dias da Silva por a descida do IVA excluir a tauromaquia, acusando o Governo de “discriminação” e de imposição de uma “ditadura do gosto”, Graça Fonseca reagiu: “Senhora deputada [do CDS-PP] a tauromaquia não é uma questão de gosto, é uma questão de civilização e manteremos como está”.

Recomendadas

PS está na “posição ingrata” em que “todos lhe batem”, diz António Costa

Segundo o líder socialista, “a realidade” é que, “em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU”.

“Maquiavel para Principiantes”. “Em vez do cartão amarelo ao Governo, podemos ter cartão vermelho ao líder da oposição”

“Mais importante do que bazucas, metralhadoras, helicópteros ou outro tipo de arsenal, há mais pessoas a acreditar numa vitória do PS do que num triunfo do PSD. Nestas eleições faz-se sentir muitas vezes o cartão amarelo ao Governo mas o que parece é que se está a preparar um cartão vermelho ao líder da oposição”, realçou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE.

Bruno Horta Soares: “Moedas é um nome forte mas com esta campanha e se não fosse a IL, votaria em branco”

Consciente de que tem de ultrapassar o apelo ao voto útil, Bruno Horta Soares realçou ainda, na última edição do programa “Primeira Pessoa”, da plataforma multimédia JE TV, que já ninguém acredita que Carlos Moedas possa derrotar Fernando Medina.
Comentários