Taxa de esforço para pagar renda da casa. Três cidades portuguesas no top-10 a sul da Europa

Setúbal, Faro e Évora integram uma lista que é liderada por Milão, mas onde também entram Lisboa e Porto, onde a taxa de esforço no pagamento da renda da casa é superior a Roma.

Setúbal – 53.46 pontos

Um estudo divulgado pelo portal “idealista” esta segunda-feira, 19 de abril, aponta Setúbal, Faro e Évora no top-10 das cidades a sul da Europa onde a taxa de esforço das famílias para o pagamento da renda da casa é maior. De resto, a capital de distrito da região do Sado ocupa o segundo lugar com uma taxa de 40,6%.

Estes dados foram obtidos através dos preços de arrendamento de março de 2021, nas cidades de Itália, Espanha e Portugal, com uma estimativa de rendimentos líquidos familiares nesse mesmo período de tempo. Esta lista é liderada pela cidade italiana de Milão com 42,6%.

O top-3 é fechado por Vicenza com 39,6%, com Lanusei, na ilha de Sardenha, com 39,1% e Santa Cruz de Tenerife (Espanha) sendo que a cidade de Faro aparece no sexto lugar com uma taxa de esforço de 38,8%, logo seguida por Évora com 37,8%.

O top-10 conta ainda com a cidade espanhola de Almería com uma taxa de esforço de 37,3%, seguido pelas metrópoles italianas de Como (37,2%) e Prato (36,5%). Fora destas primeiras dez cidades encontram-se as capitais ibéricas de Madrid e Lisboa.

O estudo aponta para a capital espanhola uma taxa de esforço de 36,3%, com Lisboa ligeiramente abaixo com 35,8%, seguindo-se Barcelona (32,7%), a cidade do Porto com 30,8% e a capital italiana, Roma com 30,2%.

De acordo com os especialistas ouvidos pelo “idealista”, o ideal é não ultrapassar mais de um terço dos rendimentos para o pagamento das rendas aos respetivos senhorios, no entanto, em oito cidades portuguesas é superada essa fasquia.

Ler mais
Recomendadas

Premium“Queremos ser reconhecidos pela qualidade dos projetos”, diz diretor da AFA Real Estate

A AFA Real Estate vai investir 60 milhões de euros no Savoy Residence Insular, empreendimento de luxo localizado no centro do Funchal que deverá estar concluído no final de 2022. Novo responsável da empresa vê-o como um “cartão de visita”.

Custos da construção em habitação nova aumentaram 5,1% em março

Este valor representa um crescimento de 2,8% face ao verificado no mês anterior. Por sua vez, o custo da mão de obra subiu 7,6%, mais 1,7% em comparação com fevereiro.

Investimento imobiliário em Portugal deverá atingir os três mil milhões em 2021, estima Prime Yield

A consultora aponta os escritórios e a construção de habitação para arrendamento com os principais focos de interesse por parte dos investidores.
Comentários