Taxa máxima dos juros dos cartões de crédito será de 15,5% no terceiro trimestre

Estes 15,5% de teto máximo que as instituições podem cobrar pelos juros (TAEG) dos cartões de crédito nos próximos três meses e traduz uma descida face aos 15,8% do atual trimestre.

Cristina Bernardo

O juro máximo que detentores de cartões de crédito vão pagar no terceiro trimestre deste ano, é de 15,5% (TAEG). O Banco de Portugal divulgou as taxas máximas para os diferentes tipos de crédito aos consumidores, que são divulgadas trimestralmente.

A taxa de juro máxima a aplicar para cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto é de 15,5%, mas também para ultrapassagens de crédito, o que significa uma descida face aos 15,8% em vigor no segundo trimestre do ano.

“Estas taxas máximas são determinadas com base nas taxas anuais de encargos efetivas globais (TAEG) médias praticadas no mercado pelas instituições de crédito no trimestre anterior, acrescidas de um quarto, não podendo exceder a TAEG média da totalidade dos contratos de crédito aos consumidores acrescida de 50%”, refere o BdP.

As restantes categorias de crédito ao consumo também beneficiam de um teto de juros mais baixo a vigorar no próximo trimestre.

Para a Locação Financeira ou ALD de carros novos a taxa máxima é de 4% e para carros usados é de 5,5%. O crédito automóvel com reserva de propriedade para carros novos tem um tecto máximo de 9,3% e para usados 12,1%.

Por fim o crédito ao consumo para Educação, Saúde, Energias Renováveis e locação financeira de equipamentos tem a taxa máxima de 6,3%.

Os restantes créditos ao consumo têm como máximo em vigor para o terceiro trimestre 12,8% (baixa face aos 13,1%).

Ler mais
Recomendadas

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Crédit Agricole convidado para colocar as mais recentes emissões sindicadas de obrigações do tesouro

O Crédit Agrícole emitiu um comunicado onde faz o balanço do seu papel na economia portuguesa, onde está presente através da GNB Seguros com 75%; da Eurofactor e do Banco Credibom. Para além de ter ajudado a colocar dívida do Estado português.

Aumento da margem financeira, dos depósitos e número de contas impulsiona rendimentos do Banco CTT

Apesar do atual estado da economia e dos efeitos da pandemia, o Banco CTT registou um crescimento de 63%, para 38,4 milhões de euros, nos rendimentos do primeiro semestre de 2020. O banco registou 2,9 mil pedidos de moratórias, expondo um total de 66,6 milhões de euros, o que representa “cerca de 7% do total da carteira bruta de crédito” da instituição bancária.
Comentários