Taxa que penaliza centrais a carvão sobe para 75% em 2021

A taxa carvão entrou em vigor em 2018, e tem vindo a penalizar cada vez mais a produção de eletricidade a partir de carvão. As duas centrais a carvão do país vão encerrar até ao final de 2021.

A taxa que penaliza as centrais a carvão vai aumentar para 75% em 2021, cumprindo o calendário inicialmente previsto, segundo uma versão preliminar do Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021) a que o Jornal Económico teve acesso.

“Durante o ano de 2021, os produtos classificados pelos códigos NC 2701, 2702 e 2704 [carvão e coque], que sejam utilizados na produção de eletricidade, de eletricidade e calor (cogeração), ou de gás de cidade, por entidades que desenvolvam essas atividades como sua atividade principal, são tributados com uma taxa correspondente a 75 % da taxa de ISP e com uma taxa correspondente a 75 % do adicionamento sobre as emissões de CO2 previstas”, pode-se ler no documento.

A partir de 2022, a taxa carvão aumenta para 100%, estabelece o documento.

A receita angariada vai ter como fim: 50% para o  Sistema Elétrico Nacional ou para a redução do défice tarifário do setor elétrico, no mesmo exercício da sua cobrança, a afetar ao Fundo para a
Sustentabilidade Sistémica do Setor Energético (FSSSE); 50% para o Fundo Ambiental.

A taxa carvão entrou em vigor com o Orçamento do Estado para 2018, numa iniciativa do ministério do Ambiente tutelado por João Pedro Matos Fernandes.

No primeiro ano em vigor, esta taxa custou um valor a rondar sete milhões de euros às duas únicas centrais a carvão em Portugal: a central da EDP em Sines, e a central do Pego, detida pela Tejo Energia, um consórcio formado pela Endesa (44%) e pela Trustenergy (56%), que é, por sua vez, um consórcio formado pelos japoneses da Marubeni e pelos franceses da Engie.

Inicialmente, o Governo de António Costa estabeleceu que 2030 seria o prazo limite para encerrar as duas centrais a carvão em Portugal quando chegou ao poder em finais de 2015.

Mas no discurso para a segunda tomada de posse, em outubro de 2019, o primeiro-ministro disse que queria fechar todas as centrais a carvão até 2023: a do Pego em 2021, e a de Sines em 2023.

Entretanto, a EDP anunciou em julho deste ano que iria antecipar o encerramento da central a carvão de Sines para janeiro de 2021.

“No caso da central de Sines (1.180 MW), que não produz energia desde Janeiro 2020, é hoje entregue uma declaração de renúncia à licença de produção, para encerramento em Janeiro de 2021. Até esta data, a central produzirá o estritamente necessário para a queima do carvão armazenado”, anunciou a companhia em meados de julho.

A EDP disse que entregou a 14 de julho à Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) “uma declaração de renúncia à licença de produção para que possa encerrar a sua atividade em janeiro de 2021”.

A elétrica diz que esta decisão  foi tomada “num contexto em que a produção de energia depende cada vez mais de fontes renováveis. Além disso, com o crescente aumento dos custos da produção a carvão, aliado a um agravamento da carga fiscal, e com a maior competitividade do gás natural, as perspetivas de viabilidade das centrais a carvão diminuíram drasticamente”.

Para o futuro pós-encerramento da central, a EDP assume que está “agora a avaliar o desenvolvimento de um projeto de produção de hidrogénio verde em Sines, em consórcio com outras empresas”.

EDP vai fechar central a carvão de Sines em janeiro de 2021

 

 

 

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

OE2021: IHRU recebe 10 milhões de euros para recuperar património do Estado para fins habitacionais

O Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) vai receber 10 milhões de euros para recuperação do património do Estado para fins habitacionais, segundo uma versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

OE2021: Empresas de transportes públicos vão receber 198 milhões para reduzir preços dos passes

Proposta preliminar do OE 2021 a que o JE teve acesso também determina que o Fundo Ambiental fica autorizado a financiar em 60 milhões o reforço da oferta de transportes públicos, com a possibilidade de mais 30 milhões de financiamento no caso da pandemia se agravar.

OE2021: Proteção Civil pode transferir 28,65 milhões para bombeiros

Segundo a versão preliminar, o orçamento de referência para o ano de 2021 é de 28,65 milhões de euros, não podendo ser feitas para cada corporação de bombeiros as transferências inferiores às deste ano, “nem superiores em 5,43 % do mesmo montante”.

OE2021: Freguesias vão ter subvenção geral de 237 milhões de euros, mais 8,7 milhões de euros do que este ano

No Orçamento do Estado para 2020, as freguesias beneficiaram de uma subvenção geral de 228.712.058 euros, valor que foi aumentado em 8.746.229 euros para 2021.

OE2021: Gestores das empresas públicas perdem prémio de desempenho se agravarem pagamentos em atraso

Os gestores das empresas públicas vão ter direito a prémios de desempenho, mas se, no fim de 2021, agravarem os atrasos nos pagamentos a fornecedores ficam impedidos de receber remunerações variáveis de desempenho.

Municípios recebem 2,3 mil milhões através do Fundo de Equilíbrio Financeiro

Os municípios vão receber 2,3 mil milhões de euros através do Fundo de Equilíbrio Financeiro, mais 180 milhões do que em 2020, segundo uma versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).
Recomendadas

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.

Luís Filipe Vieira vai hoje à Comissão de Inquérito para explicar reestruturação da dívida ao Novo Banco

Fundo que ficou com a maior parte das dívidas e ativos do grupo Promovalor ao Novo Banco não vai conseguir cumprir plano de reembolsos. Como o presidente do Benfica deu o seu aval, poderá ser executado pelo Novo Banco já no próximo ano. Vieira é um dos grandes devedores a ser ouvido nesta segunda-feira pelos deputados.

Vítor Bento será o próximo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, avança Marques Mendes

Vítor Bento tem vasta experiência no sector financeiro. O economista foi presidente executivo da SIBS e também foi o último presidente do Banco Espírito Santo e o primeiro do Novo Banco.
Comentários