Técnicos de emergência pré-hospitalar vão pedir esclarecimentos ao INEM sobre formação

“O presidente do INEM anda há cinco anos a dizer que não tem médicos para dar formação aos TEPH [técnicos de emergência pré-hospitalar]. Vamos ainda hoje endereçar um pedido de esclarecimento sobre como pretende formar estes TEPH e em quanto tempo os prevê formar”, disse Rui Lázaro, do STEPH, em declarações à Lusa.

O Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) vai pedir esclarecimentos ao INEM sobre como pretende formar os 178 técnicos abrangidos pelo concurso publicado na terça-feira.

“O presidente do INEM anda há cinco anos a dizer que não tem médicos para dar formação aos TEPH [técnicos de emergência pré-hospitalar]. Vamos ainda hoje endereçar um pedido de esclarecimento sobre como pretende formar estes TEPH e em quanto tempo os prevê formar”, disse Rui Lázaro, do STEPH, em declarações à Lusa.

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) publicou na terça-feira a abertura de concurso para novos 178 técnicos de emergência pré-hospitalar.

O dirigente do STEPH questiona ainda sobre se os 178 TEPH agora a formar vão ficar “com a formação por concluir, tal como os 240 que o instituto contratou nos últimos cinco anos”.

“Estranhamos que o INEM não tenha sido capaz de formar um TEPH sequer nos últimos cinco anos, por incompetência dos seus dirigentes, e se proponha agora formar 178”, afirma.

O sindicato diz ainda que vai dar conhecimento deste pedido de escleraciento ao secretário de Estado Adjunto e da Saúde.

O STEPH convocou na semana passada para o dia 27 de abril uma manifestação, em Lisboa, e apelou a outros sindicatos, associações de bombeiros e agentes da proteção civil para se juntarem ao protesto.

A manifestação terá início no Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública, às 12:00, seguida de um desfile que passará pelo INEM e acabará no Ministério da Saúde, onde os técnicos de emergência pré-hospitalar vão entregar um caderno reivindicativo.

Entre as várias matérias que constam do caderno reivindicativo estão a revisão da carreira especial de técnico de emergência médica pré-hospitalar, o melhoramento do equipamento das ambulâncias, que consideram desadequado, a formação dos técnicos de emergência médica que está por realizar e a publicação do acordo coletivo de carreira especial.

“A carreira TEPH é hoje uma carreira que não saiu do papel, que serviu apenas para promover alguns TEPH para lugares de chefia, enquanto a esmagadora maioria se aproxima cada vez mais do salário mínimo nacional”, considera o sindicato, sublinhando que os mais prejudicados são os cidadãos, “que se veem privados de cuidados de emergência que os devia servir melhor e devia salvar mais vidas”.

Aponta ainda as “péssimas condições de trabalho” e defende o alargamento da carreira TEPH a todo o pré-hospitalar.

Ler mais
Recomendadas

Lisbon Bar Show tem regresso marcado para 16 e 17 de maio de 2022

Ao Jornal Económico, o organizador do Lisbon Bar Show calcula que o orçamento para este evento já ultrapasse um milhão de euros, incluindo a forte aposta dos expositores, na sua grande maioria produtores e distribuidores de bebidas alcoólicas e de acompanhamento dos respetivos ‘cocktails’.

Portugueses admitem passar férias em território nacional e gastar menos que em 2020

Relativamente a questões financeiras, os portugueses estimam gastar 750 euros, uma descida de 160 euros face ao valor descrito no ano passado.

Joana Marques Vidal: decisão instrutória do processo Operação Marquês colocou em causa imagem da justiça

Esta ideia foi manifestada por Joana Marques Vidal em entrevista publicada hoje pelo jornal Observador, numa altura em que a antiga PGR cessa funções no Ministério Público (MP), onde exerceu a sua carreira durante mais de 40 anos, tendo nos últimos tempos sido procuradora-geral-adjunta junto do Tribunal Constitucional.
Comentários