Tecnologia contribui para a estagnação generalizada dos salários

Um relatório do grupo Hays divulgado esta terça-feira conclui que as mudanças estruturais no mercado de trabalho estão a aumentar o emprego, mas a causar um fenómeno global de estagnação de salários.

“O facto da queda das taxas de desemprego não ser acompanhada de um aumento dos salários está a causar um fenómeno global de estagnação de salários”. Esta é a principal conclusão da oitava edição do Hays Global Skills Index, divulgado esta segunda-feira, 23 de setembro, pela empresa de recrutamento especializado Hays, em colaboração com a Oxford Economics.

O relatório avalia 34 mercados de trabalho profissionais e investiga as macrotendências, desafios e oportunidades que a força de trabalho enfrenta a nível mundial. Um destes desafios é o rápido desenvolvimento tecnológico e está, segundo o relatório, a contribuir para o agravamento do subemprego e para a desajuste de talentos, à medida que os empregadores lutam para encontrar profissionais qualificados para preencher as ofertas.

Segundo o documento, a tecnologia também está a contribuir para a estagnação generalizada dos salários, mesmo nas economias avançadas do mundo. “A estagnação salarial atual mostra que os altos níveis de emprego não estão associados ao aumento dos salários e, em vez disso, decorrem de mudanças estruturais no mercado de trabalho”, justifica.

No mercado de trabalho altamente qualificado, as condições permaneceram semelhantes às do ano passado. No entanto, as tendências são de estagnação salarial, subemprego – onde as pessoas que desejam trabalhar em período ‘full-time’ não estão a fazê-lo – e desajuste de talentos em diferentes localizações geográficas.

Num cenário de crescente incerteza económica de progresso tecnológico contínuo, como o atual, aconselha-se os empregadores a “investir em formação de longo prazo, minimizar o subemprego por meio da alocação estratégica de capital humano e capacitar a força de trabalho global para ter sucesso em meio às mudanças nas condições de trabalho”.

 

Ler mais
Relacionadas

As perspetivas dos gestores: como antecipar paradigmas e conseguir alocações de capital eficientes

A geopolítica e as alterações de paradigma são cruciais para entender a eficiente alocação de capital. Depois é preciso tentar antecipar as prováveis evoluções macro, tanto a nível setorial como geográfico.

Trabalhar na tecnologia em Lisboa pode render até 95 mil euros anuais (são 7,9 mil por mês)

Este é o salário que pode receber um Chief Technology Officer (CTO) com mais de cinco anos de experiência. Ainda assim, as funções mais comuns no mercado português são os programadores ‘full-stack’ e ‘back-end’, cujas remunerações anuais rondam os 30 mil euros.
Recomendadas

PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

Estado teria que comprar participação dos privados na TAP para alterar remunerações

Uma auditoria do Tribunal de Contas refere que se a Parpública exercer a opção de compra, “comprará as ações da Atlantic Gateway pelo preço resultante de uma avaliação independente acrescido de 20%”.

PremiumVenda do BNI Europa aguarda fecho das contas de 2019

Negócio deverá ficar fechado no primeiro trimestre de 2020. O banco apesenta contas anuais em março.
Comentários