Tecnologia contribui para a estagnação generalizada dos salários

Um relatório do grupo Hays divulgado esta terça-feira conclui que as mudanças estruturais no mercado de trabalho estão a aumentar o emprego, mas a causar um fenómeno global de estagnação de salários.

“O facto da queda das taxas de desemprego não ser acompanhada de um aumento dos salários está a causar um fenómeno global de estagnação de salários”. Esta é a principal conclusão da oitava edição do Hays Global Skills Index, divulgado esta segunda-feira, 23 de setembro, pela empresa de recrutamento especializado Hays, em colaboração com a Oxford Economics.

O relatório avalia 34 mercados de trabalho profissionais e investiga as macrotendências, desafios e oportunidades que a força de trabalho enfrenta a nível mundial. Um destes desafios é o rápido desenvolvimento tecnológico e está, segundo o relatório, a contribuir para o agravamento do subemprego e para a desajuste de talentos, à medida que os empregadores lutam para encontrar profissionais qualificados para preencher as ofertas.

Segundo o documento, a tecnologia também está a contribuir para a estagnação generalizada dos salários, mesmo nas economias avançadas do mundo. “A estagnação salarial atual mostra que os altos níveis de emprego não estão associados ao aumento dos salários e, em vez disso, decorrem de mudanças estruturais no mercado de trabalho”, justifica.

No mercado de trabalho altamente qualificado, as condições permaneceram semelhantes às do ano passado. No entanto, as tendências são de estagnação salarial, subemprego – onde as pessoas que desejam trabalhar em período ‘full-time’ não estão a fazê-lo – e desajuste de talentos em diferentes localizações geográficas.

Num cenário de crescente incerteza económica de progresso tecnológico contínuo, como o atual, aconselha-se os empregadores a “investir em formação de longo prazo, minimizar o subemprego por meio da alocação estratégica de capital humano e capacitar a força de trabalho global para ter sucesso em meio às mudanças nas condições de trabalho”.

 

Ler mais
Relacionadas

As perspetivas dos gestores: como antecipar paradigmas e conseguir alocações de capital eficientes

A geopolítica e as alterações de paradigma são cruciais para entender a eficiente alocação de capital. Depois é preciso tentar antecipar as prováveis evoluções macro, tanto a nível setorial como geográfico.

Trabalhar na tecnologia em Lisboa pode render até 95 mil euros anuais (são 7,9 mil por mês)

Este é o salário que pode receber um Chief Technology Officer (CTO) com mais de cinco anos de experiência. Ainda assim, as funções mais comuns no mercado português são os programadores ‘full-stack’ e ‘back-end’, cujas remunerações anuais rondam os 30 mil euros.
Recomendadas

CMVM aplica multas de 1,175 milhões entre julho e setembro

No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

Lloyd’s com lucros de 783 milhões de euros até setembro. Caem 64% num ano

No acumulado dos nove meses, o banco liderado por António Horta Osório registou lucros de 707 milhões de libras (783 milhões de euros) o que traduz uma queda de 64% face aos nove meses de 2019. Imparidades de 4,119 mil milhões de libras justificam a queda dos resultados líquidos. Mas no terceiro trimestre o banco regressou aos lucros.

Cobertura dos media portugueses à Fórmula 1 gerou 13,1 milhões de euros em três dias

Estima-se que a realização do Grande Prémio de Portugal, em Portimão, gerou um impacto financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. No que respeita à cobertura dos media portugueses, só as televisões geraram 10,9 milhões de euros, segundo uma análise da Marktest.
Comentários