Tecnológica portuguesa Bi4all investe 8 milhões de euros na renovação da sede

A empresa de ‘Big Data’ e inteligência artificial atingiu em 2020 um volume de negócios de 17,7 milhões de euros, o que representa um crescimento homólogo de 11%, e o EBITDA fixou-se nos 4 milhões de euros. Em Portugal, a faturação subiu 9% em relação ao ano anterior.

A tecnológica portuguesa Bi4all, especializada em analítica de dados e algoritmos de inteligência artificial (IA), investiu 8 milhões de euros na renovação da sede, em Lisboa, para responder aos desafios do modelo de trabalho híbrido e cada vez mais colaborativo, revelou ao Jornal Económico (JE) o CEO, José Oliveira.

A empresa atingiu, em 2020, um volume de negócios de 17,7 milhões de euros, o que representa um crescimento homólogo de 11%, e o EBITDA fixou-se nos 4 milhões de euros. Em Portugal, a faturação subiu 9% em relação ao ano anterior, mas o valor não foi revelado.

Perante esta expansão, a Bi4all espera recrutar pelo menos 30 colaboradores até ao final do ano. A multinacional de Big Data e engenharia de software tem trabalhado com farmacêuticas como OCP Portugal e Alloga-Logifarma, bancos e instituições financeiras como BNP Paribas e ECS Capital ou sociedades de advogados como a Vieira de Almeida (VdA), mas José Oliveira admite ao JE estar “preocupado” com a escassez de talento qualificado disponível em Portugal, necessário para dar continuidade a estes projetos.

Em termos internacionais, quais os mercados que mais cresceram no ano passado?

Os mercados internacionais têm um peso de 57% no volume de negócios e, em 2020, crescemos 12% além-fronteiras. A Europa e a América continuam a ter um peso grande no negócio. Para este ano, estamos focados em consolidar a nossa presença em Portugal e continuar a crescer a nível internacional, particularmente através do nosso nearshore center, que trabalha para clientes e projetos em todo o mundo, diretamente de Portugal, com uma vasta equipa totalmente focada, certificada e qualificada.

O sector farmacêutico é um dos motores do vosso negócio. Que soluções têm implementado nestas empresas?

No caso da OCP Portugal somos responsáveis pela solução de Data Analytics implementada, uma solução que permitiu aumentar a competitividade, a eficiência e a rentabilidade da empresa ao ter a informação toda agregada, acessível e exata. Se no passado, o processo de acesso à informação era moroso, centralizado e gerador de muitas ineficiências. Com a solução de Data Analytics implementada, o acesso passou a ser mais rápido, preciso e facilitado. Outro caso de sucesso é a Alloga-Logifarma, onde desenvolvemos uma solução de Inteligência Artificial, que deteta a informação automaticamente vinda nas packing lists e regista em sistema essa informação. Com a informação consolidada numa plataforma, o processo tornou-se mais fácil, semi-automático e menos passível de erro.

Face à escassez de consultores em Portugal, têm procurado recrutar mais no estrangeiro?

Estamos preocupados com a escassez de consultores em Portugal, reconhecemos a qualidade do talento existente no país, mas, neste momento, é insuficiente para as necessidades das empresas. Procuramos recrutar no mercado nacional, mas quando não é possível contratamos no estrangeiro, até porque acreditamos que a diversidade contribui em muito para o nosso sucesso. As principais áreas de formação dos nossos colaboradores englobam Informática, Informática de Gestão, Matemática e Engenharia.

A que se deve a transformação da sede?

Nasce com o objetivo de responder a um novo paradigma laboral e às necessidades dos colaboradores, tendo como base o crescimento sustentado que a empresa tem tido ao longo dos anos quer em resultados, quer em número de colaboradores, bem como a cultura da BI4ALL. O novo espaço é mais do que um escritório, é efetivamente um conceito para uma experiência única e uma viagem a pensar num ambiente de trabalho dinâmico, ágil e que que reúne todas as condições para a criatividade, colaboração, e trabalho altamente produtivo.

As novas instalações foram batizadas de “Cidade BI4ALL” e contam com vários espaços e diferentes ambientes, dinâmicos e inovadores, para proporcionar maior flexibilidade e criando o espaço ideal para continuar a inovar e a desenvolver a nossa marca e serviços de excelência.

No final do primeiro trimestre, anunciaram o reforço da parceria com a VdA através de um projeto de otimização de ‘business intelligence’. Há quantos anos trabalham com o escritório?

Há muitos anos que a VdA e a BI4ALL colaboram numa relação de parceria que se iniciou com um projeto de integração de informação em sistema de report desenvolvido para suportar a decisão da liderança da firma. Recentemente, a VdA reformulou os dashboards de business intelligence no sentido de melhorar a legibilidade e sofisticar a experiência de utilização, acrescentando e ajustando alguns dos indicadores de gestão.

Vão continuar a apostar na área de ‘legaltech’?

Atualmente, todas as empresas, independentemente do setor de atividade, beneficiam em apostar em soluções de Data Analytics e Inteligência Artificial, porque permite-lhes ganhar competitividade, flexibilidade e inovação. No caso do setor jurídico, este tem vindo a enfrentar diversas alterações ao longo dos anos, sendo uma área que armazena um enorme número de dados oriundos de diversas fontes. Uma solução de Data Analytics e IA permite a qualquer empresa do sector a ter processos mais ágeis, estratégias mais eficientes e análises mais precisas.

Recomendadas

EDP Renováveis fecha contrato de aquisição de energia de 15 anos para um projeto eólico no Canadá

A EDP Renováveis fechou um contrato com a TransCanada Energy para a venda da energia verde do seu parque eólico de Shap Hills, no Canadá.

Aon e Firma estabelecem parceria para soluções globais de financiamento das empresas

Bernardo Theotónio-Pereira explica a parceria com “as necessidades actuais das empresas” que “passam, na sua maioria, por soluções de tesouraria e de funding céleres e independentes da burocracia e lentidão da banca nacional e/ou de outros players ou fundos ‘abutres’ que se instalaram em Portugal ”.

Quem é a Evergrande e porque está a assustar os mercados mundiais?

A iminência de incumprimento por parte do gigante chinês do imobiliário fez tremer os mercados e há já quem tema um impacto sistémico de elevadas proporções. O Jornal Económico falou com analistas do mercado e com o CEO da Vanguard Properties, que deram a sua visão sobre o que se passou com a Evergrande e que impacto pode ter no mercado.
Comentários