Tecnológica Primavera diz que há um contabilista para cada 19 empresas

José Dionísio, cofundador e co-CEO, defende a consolidação do setor. “De um momento para o outro duplica-se o volume de negócios, o número de colaboradores e a capacidade de gestão de ambas as empresas”, explica ao Jornal Económico.

A Primavera BSS alertou esta semana, na primeira “Accounting Summit” em Portugal, que há um contabilista para cada 19 empresas, que sobrevivem com margens operacionais mínimas e no limiar da rentabilidade. A tecnológica, que há 25 anos se dedica ao desenvolvimento de soluções informáticas para auxiliar a atividade destes profissionais, defende uma consolidação do setor para aumentar as receitas.

“De um momento para o outro duplica-se o volume de negócios, o número de colaboradores e a capacidade de gestão de ambas as empresas. Com maior dimensão, a empresa terá melhores condições para investir na sua modernização de modo a melhor servir os seus clientes”, afirma José Dionísio, cofundador e co-CEO, ao Jornal Económico (JE).

Na sua opinião, a fusão de duas empresas de dimensão semelhante deve ser a primeira opção a considerar para gerar crescimento em dois pequenos prestadores de serviços. Porém, José Dionísio acredita que a evolução destes negócios também pode ser alcançada pela via orgânica, e exemplifica: “através da diversificação da oferta de serviços a disponibilizar pelo escritório de contabilidade”.

“A verticalização, isto é, a especialização, deve ser considerada nas opções de diversificação, na medida em que dificilmente alguém conseguiria diversificar para todo o lado. A diversificação, por seu turno, também pode ser conseguida pela via de parcerias. Um pequeno ou médio escritório pode oferecer serviços de maior valor acrescentado mais facilmente se se aliar a outras empresas especializadas nessas áreas”, explicou ao JE.

De acordo com os dados da Ordem dos Contabilistas Certificados, existem em Portugal cerca de 68 mil contabilistas ativos, sendo que há perto de 22.500 escritórios de contabilidade onde trabalham 36 mil profissionais da contabilidade. “Este setor tem como mercado alvo em Portugal 1,3 milhões de empresas, número que constitui o tecido empresarial português. Destas, 98% têm até 10 funcionários e constituem-se como o grosso dos clientes dos escritórios de contabilidade”, relatou, numa radiografia à classe.

Naquela conferência online dedicada à contabilidade, o gestor fez a comparação entre as receitas médias das empresas de contabilidade em Portugal, na ordem dos 73,5 mil euros, com as das firmas em França, onde o número de escritórios não é muito superior: aproximadamente 900 mil euros. “Porque será que o setor da contabilidade em Portugal compara mal com os congéneres europeus? Preços baixos estão, regra geral, associados a um excesso da oferta relativamente à procura, mas também podem estar associados a um mercado sem capacidade económica, ou ainda a um mercado que não valoriza o serviço que contrata porque é apenas visto como uma obrigação”, argumentou o orador do evento. A seu ver, a chave para um negócio promissor e com qualidade está num escritório que tenha, pelo menos, quatro profissionais e uma faturação, no mínimo de 200 mil euros anuais e com avenças que rondem os 220 euros mensais.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários