Teixeira Duarte regressou aos lucros no primeiro trimestre

Os proveitos operacionais da construtora caíram 5,4% nos primeiros três meses deste ano, para 235,9 milhões de euros.

A construtora Teixeira Duarte (TD) regressou aos lucros no primeiro trimestre deste ano, casa dos oito milhões de euros, o que compara com quase três milhões de euros de prejuízos averbados em idêntico período do ano passado.

Apesar deste indicador positivo, segundo o comunicado da TD enviado há minutos para a CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, os proveitos operacionais da empresa caíram 5,4% nos primeiros três meses deste ano, para 235,9 milhões de euros.

“A este propósito, de referir os bons desempenhos das empresas que actuam nos setores da construção, concessões e serviços, distribuição e automóvel que, ainda assim, não compensaram a quebra das que operam no setor da imobiliária. Geograficamente, o grupo teve um decréscimo de 10% em Portugal, sobretudo no setor da imobiliária, enquanto que nos mercados externos se registou uma diminuição global de 3,7% face ao primeiro trimestre de 2018”, explica a administração da TD no referido comunicado.

Também o EBITDA da construtora registou uma quebra de 25,4% no período em análise, para 38,9 milhões de euros, que comparam com os cerca de 52,2 milhões de euros alcançados no primeiro trimestre de 2018.

O volume de negócios da TD atingiu os cerca de 210,4 milhões de euros, o que reflete uma diminuição de 3,2% face ao período homólogo de 2018, isto é, menos 8,2 milhões de euros.

“Em Portugal, registou-se uma diminuição de 23,4% face aos primeiros três meses de 218, enquanto que os outros mercados cresceram globalmente 5,1%”, explica o referido comunicado da TD.

A administração da construtora, liderada por Pedro Maria Teixeira Duarte (na foto) explica que, em consequência desta evolução, “os mercados externos, que representaram 69% deste indicador em março do ano passado, passaram a representar 75,3% do volume de negócios do Grupo Teixeira Duarte”.

 

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumMota-Engil deverá ganhar mil milhões com projetos de gás natural em Moçambique

Um estudo reservado da consultora Nau Securities prevê que o EBITDA da construtora nacional neste país possa ser crescer em 30% nos próximos cinco anos devido aos contratos estimados nesta área.

Caixa BI escolhe Mota, REN, Sonae e Sonae Capital como ‘top picks’ para 2020

O banco de investimento da CGD antevê um 2020 positivo para o PSI 20, com uma subida potencial de 13% alimentada pelas pares na Europa e nos EUA e o menor risco-país de Portugal. Sobre as favoritas: a Mota-Engil vai ganhar com expansão internacional, a REN é um porto seguro, a Sonae tem vários pontos de ganhos e a Sonae Capital está exposta a muitas oportunidades.

Mais de 70% dos concursos públicos de arquitetura no sul sem valor da construção

A Seção Regional Sul da Ordem dos Arquitetos divulgou esta terça-feira que 72% dos concursos públicos lançados entre 2017 e 2019 não tiveram “qualquer definição do valor da construção na fase de projeto”, evidenciando “ausência de controlo de gastos públicos”.
Comentários