Teixeira Duarte regressou aos lucros no primeiro trimestre

Os proveitos operacionais da construtora caíram 5,4% nos primeiros três meses deste ano, para 235,9 milhões de euros.

A construtora Teixeira Duarte (TD) regressou aos lucros no primeiro trimestre deste ano, casa dos oito milhões de euros, o que compara com quase três milhões de euros de prejuízos averbados em idêntico período do ano passado.

Apesar deste indicador positivo, segundo o comunicado da TD enviado há minutos para a CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, os proveitos operacionais da empresa caíram 5,4% nos primeiros três meses deste ano, para 235,9 milhões de euros.

“A este propósito, de referir os bons desempenhos das empresas que actuam nos setores da construção, concessões e serviços, distribuição e automóvel que, ainda assim, não compensaram a quebra das que operam no setor da imobiliária. Geograficamente, o grupo teve um decréscimo de 10% em Portugal, sobretudo no setor da imobiliária, enquanto que nos mercados externos se registou uma diminuição global de 3,7% face ao primeiro trimestre de 2018”, explica a administração da TD no referido comunicado.

Também o EBITDA da construtora registou uma quebra de 25,4% no período em análise, para 38,9 milhões de euros, que comparam com os cerca de 52,2 milhões de euros alcançados no primeiro trimestre de 2018.

O volume de negócios da TD atingiu os cerca de 210,4 milhões de euros, o que reflete uma diminuição de 3,2% face ao período homólogo de 2018, isto é, menos 8,2 milhões de euros.

“Em Portugal, registou-se uma diminuição de 23,4% face aos primeiros três meses de 218, enquanto que os outros mercados cresceram globalmente 5,1%”, explica o referido comunicado da TD.

A administração da construtora, liderada por Pedro Maria Teixeira Duarte (na foto) explica que, em consequência desta evolução, “os mercados externos, que representaram 69% deste indicador em março do ano passado, passaram a representar 75,3% do volume de negócios do Grupo Teixeira Duarte”.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Construtora Mota-Engil coloca uma emissão de 75 milhões em obrigações para os pequenos investidores

O pagamento da taxa de juro bruta é de 4,375%. A oferta pública de subscrição arranca na próxima segunda-feira, dia 14 de outubro e termina no dia 25 do mesmo mês.

Produção na construção registou variação homóloga de 2,9% no mês de agosto

Este ligeiro abrandamento foi determinado pelo segmento da engenharia civil que apresentou uma variação de 3,2%, 0,3 pontos percentuais inferior à observada no mês de julho.

Mota-Engil garante mais 327 milhões em Angola, Moçambique e Portugal

Já na passada segunda-feira, dia 7 de outubro, a Mota-Engil já havia anunciado um contrato firmado no valor de 122 milhões de euros no Brasil, elevando para 449 milhões de euros o valor dos contratos internacionais já revelados desde o início desta semana.
Comentários