Telefónica analisa compra parcial da Oi, avaliada em 6 mil milhões

A Oi é detida em cerca de 5% pela Bratel da portuguesa Pharol, ex-PT SGPS, que por sua vez tem como acionista o Novo Banco com ​9,56%. E o BCP tem poder para vender os 9,99% da High Bridge por conta de uma dívida bancária não paga.

A Telefónica está a analisar a compra parcial da sua rival Oi, no Brasil, que está avaliada 6 mil milhões de euros, avança o site El Confidencial.

O site de notícias espanhol diz que a Oi colocou nas mãos de um banco de investimento dos EUA, o Morgan Stanley, avaliar a aquisição de parte dos ativos da sua rival, em processo de recuperação judicial desde 2016.

O El Confidencial, que cita fontes próximas à operação, diz que a operadora espanhola está a analisar a potencial compra da Oi, a sua rival brasileira, que passa por um momento financeiro muito delicado, estando em processo de recuperação judicial (equivalente ao nosso PER) desde 2016. Na altura a dívida da Oi ascendia aos 17 mil milhões de euros. A capitalização bolsista da Oi é de 6,7 mil milhões de dólares, cerca de 6 mil milhões de euros.

Segundo a notícia, a Telefónica entrou em contato com o Morgan Stanley para a aconselhar sobre a aquisição da Oi, que em janeiro contratou os serviços do Bank of America Merrill Lynch para analisar desinvestimentos de negócios não estratégicos e de modo a aliviar seu pesado balanço.

A Oi é detida em cerca de 5% pela Bratel da portuguesa Pharol, ex-PT SGPS, que por sua vez tem como acionista o Novo Banco com ​9,56% e o BCP tem poder para vender os 9,99% da High Bridge por conta de uma dívida bancária não paga.

O Novo Banco está vendedor e o BCP já admitiu vender a participação para se ressarcir da dívida da High Bridge (que tem sido atribuída no mercado a Nelson Tanure).

A Telefónica comprou à Portugal Telecom no passado a Vivo, que é líder de mercado, seguida pela TIM, da Telecom Itália, e da Claro, controlada pelo mexicano Carlos Slim.

A operadora Oi continua com receitas abaixo do esperado, segundo o balanço divulgado pela empresa em relação ao quarto trimestre de 2018. Entre outubro e dezembro, registou um prejuízo líquido de 3,359 mil milhões de reais para os seus acionistas — 65,7% mais do que a mesma época no ano anterior. Em 2017, a perda foi de 2,253 mil milhões de reais.

 

Ler mais
Relacionadas

Telefónica Espanha propõe rescisão voluntária a um quinto dos trabalhadores

A Telefónica Espanha vai propor aos sindicatos um Plano de Suspensão Individual do emprego a partir dos 53 anos que irá afetar cerca de 4.600 trabalhadores, o que representa 21,3% da força de trabalho da empresa.
Recomendadas

Estudantes europeus rumam a Setúbal para encontrar soluções de ‘smart tourism’

A 14.ª edição da Business Week’o é dedicada ao conceito de ‘smart tourism’ e o programa de trabalho volta a apostar num contacto direto dos participantes europeus com a cidade que os acolhe,

PremiumVinhos: vendas da região de Lisboa crescem 20% até ao final de setembro

Desde o início do ano até ao final de setembro já foram vendidas cerca de 43 milhões de garrafas, ou seja, 32,250 milhões de litros. Francisco Toscano Rico, presidente da CVR Lisboa, explica que os mercados absorvem cerca de 77% desta produção.

Cerca de 49 mil empresas no mundo utilizam as IFRS

Mais de 33% das operações financeiras são transfronteiriças e as IFRS têm contribuído para a redução do custo de financiamento das empresas e para identificação de novas oportunidades de investimento.
Comentários