Telefónica negoceia acordo com TIM e Claro para comprar ativos da Oi

A Oi, cuja parte do capital é detida pela portuguesa Pharol, está sob um processo judicial de recuperação financeira tendo em conta a elevada dívida da operadora brasileira. Autoridades brasileiras vê com bons olhos a entrada em cena da Telefónica.

A espanhola Telefónica procura parceiros para adquirir ativos da Oi, a quarta maior telecom brasileira, e por isso está a negociar um acordo com a TIM e a Claro, de acordo com o “Expansión”. O objetivo de um possível pacto entre estas empresas de telecomunicações passa por comprar ativos da Oi em conjunto e, posteriormente, reparti-los.

Embora o possível acordo da empresa espanhola com a subsidiária da Telecom Itália e com a empresa de Carlos Slim (a Claro é detida pela América Móvil, telecom do magnata mexicano), o negócio poderá encontrar alguns obstáculos, uma vez que todas as empresas competem entre si no mercado brasileiro. Contudo, o facto de a italiana TIM estar a passar por alguma instabilidade governativa, com o fundo norte-americano Elliot e a francesa Vivendi a disputar o controlo acionista, poderá dar uma ajuda à Telefónica.

A Oi, cuja parte do capital é detida pela portuguesa Pharol, está sob um processo judicial de recuperação financeira tendo em conta a elevada dívida da operadora brasileira.

Segundo o “Expansión”, a Oi perdeu cerca de 1,1 milhões de euros entre abril e junho deste ano, um valor muito mais elevado do que os cerca de 280 mil euros perdidos em igual período de 2018, com uma queda de 22% nos resultados operacionais. Em apenas um ano, a dívida da empresa cresceu 25%.

Há pouco mais de três anos, a empresa brasileira anunciou o início de um processo de recuperação judicial para reestruturação da dívida de aproximadamente 65 mil milhões de reais (cerca de 14,6 mil milhões de euros). Com a possível entrada de cena da Telefónica, a situação da empresa poderá colocar a Oi numa situação mais favorável, apesar do futuro negócio contemplar apenas a venda dos ativos de comunicações móveis da Oi.

O governo brasileiro receia as consequências de um eventual colapso da Oi, que poderia vir a afetar mais de 40 milhões de clientes (37,5 milhões de clientes da operação móvel; 5,7 milhões de subscritores do serviço de internet por banda larga fixa; e 1,55 milhões assinantes do serviço de Pay Tv).

Por que razão ficaria a Oi numa situação mais favorável com o sucesso das intenções da Telefónica? De acordo com jornal brasileiro “Folha de São Paulo”, a receita proveniente do possível negócio seria utilizada para reforçar a presença da Oi no mercado como principal fornecedora da infraestrutura de fibra ótica no Brasil – cerca de 360 mil quilómetros de extensão de cabos de fibra ótica são controlados pela Oi, sendo essa rede utilizada por outras operadoras.

Ler mais
Relacionadas

Telefónica analisa compra parcial da Oi, avaliada em 6 mil milhões

A Oi é detida em cerca de 5% pela Bratel da portuguesa Pharol, ex-PT SGPS, que por sua vez tem como acionista o Novo Banco com ​9,56%. E o BCP tem poder para vender os 9,99% da High Bridge por conta de uma dívida bancária não paga.
Recomendadas

Prémios ‘Grandes Escolhas’ elegeram os melhores vinhos nacionais de 2019

A entrega destes 30 prémios decorreu, num jantar em Sangalhos, Anadia, numa cerimónia que pretendeu reconhecer os grandes protagonistas do mundo da enologia e da gastronomia nacionais.

SunEnergy instala 345 painéis solares nos Armazéns Reis de Aveiro

Este contrato de autoconsumo com os Armazéns Reis, empresa que se dedica ao comércio e distribuição de materiais de construção, ‘bricolage’, decoração e jardim, vai permitir uma poupança de 15 mil euros em energia, todos os anos.

Secil com expetativas positivas para 2020 no setor do cimento

De acordo com as estatísticas, o mercado de cimentos em Portugal em 2019 terá crescido cerca de 15% comparativamente ao período homólogo.
Comentários