Teletrabalho. Governo lança “ação inspetiva forte” às empresas na próxima semana

Segundo os dados da Google que consultou o Governo concluiu que ainda existe muita circulação pendular casa-trabalho nos concelhos com risco mais elevado. A ação visa que as empresas – onde o teletrabalho é possível – cumpram o atual regime.

Rodrigo Antunes/LUSA

O Governo vai lançar uma “ação inspetiva forte” ao regime de teletrabalho nas empresas localizadas nas três zonas de maior risco em Portugal continental, anunciou hoje António Costa.

“A ministra do Trabalho já determinou essa ação inspetiva forte que é necessária ter, em particular desde já, na próxima semana”, disse o primeiro-ministro este sábado após o conselho de ministros.

“Se olharmos para aqueles dados que a Google vai publicando sobre as deslocações percebemos que há muito mais pessoas a deslocar-se face às que deviam estar a deslocar-se se houvesse o teletrabalho, se estivesse a ser mais respeitado, isso significa que temos que incentivar e sobretudo é preciso que as empresas e as pessoas o pratiquem efetivamente para bem da sua saúde, da saúde dos outros, dos profissionais de saúde e do nosso SNS”, afirmou o governante.

O regime de teletrabalho é obrigatório ser aplicado nas empresas, sempre que possível, nos concelhos com mais de 240 novos casos nos últimos 14 dias, num total de 213 concelhos atualmente, nos concelhos assinalados a amarelo, laranja e vermelho no mapa.

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

Proibição de circulação e estabelecimentos encerrados a partir das 13 horas mantém-se ao fim de semana e é alargada aos feriados de dezembro

Esta restrição vai manter-se durante o próximo Estado de Emergência de 24 de novembro a 8 de dezembro para os concelhos de risco muito elevado no país que neste momento são 127.

Empresas vão poder pagar IVA e Segurança Social até seis prestações sem juros. Rendas da restauração e comércio vão ser apoiadas

Na próxima semana, vão também ser anunciadas medidas de apoio às rendas comerciais para garantir um apoio suplementar a todos os setores, particularmente da restauração e do comércio que estão a ser “fortemente atingidos por esta crise”, disse o primeiro-ministro. A possibilidade de pagamento em prestações refere-se ao IVA de novembro, e às contribuições para a Segurança Social referentes a novembro e dezembro.

30 de novembro e 7 de dezembro: escolas fechadas, função pública não trabalha e Governo pede a empresas para dispensarem trabalhadores

O primeiro-ministro também anunciou hoje que o país vai passar a estar divido em quatro escalas consoante o nível de novos casos que apresentar.

Máscara passa a ser obrigatória no local de trabalho

António Costa anunciou hoje quais as medidas que vão vigorar entre 24 de novembro e 8 de dezembro durante a renovação do Estado de Emergência.

Governo vai proibir circulação entre concelhos nos feriados de 1 e 8 de dezembro

O primeiro-ministro anunciou hoje quais as medidas que vão vigorar entre 24 de novembro e 8 de dezembro durante o Estado de Emergência.
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Parlamento aprovou a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários