Tempo de espera no SNS continua a aumentar. 245 mil esperam por cirurgia

Oftalmologia, Ortopedia, Otorrinolaringologista e Urologia apresenta tempos de espera críticos, enquanto Cirurgia e Ginecologia melhoraram o tempo de espera para o utente.

Nos dados referentes ao ano passado, o número de utentes em lista de espera para uma cirurgia no Serviço Nacional de Saúde (SNS) caiu, mas este ano parece verificar-se cada vez mais um aumento significativo nos nomes que se encontram em lista de espera, com 245 mil inscritos no ano passado, avança o ‘Jornal de Notícias’ esta quarta-feira, 20 de novembro.

Apesar de algumas especialidades apresentaram melhorias, como a Cirurgia e Ginecologia, há outras em que o tempo de espera se mantém crítico, como é o exemplo de Oftalmologia, Ortopedia, Otorrinolaringologista e Urologia. À publicação, o Ministério da Saúde garantiu que o plano “está a ser continuamente monitorizado e será avaliado no início de 2020”.

Os dados do SNS, atualizados em agosto, revelavam que à data existiam 15 hospitais que não cumprem os tempos máximos de resposta, com destaque para os hospitais de São João e de São Sebastião nas cirurgias de obesidade, para o IPO de Lisboa na radioterapia cirúrgica e para os hospitais de Abrantes, D. Estefânia, Garcia da Orta e Litoral Alentejano na especialidade de Ortopedia.

A publicação noticia que existem 22 hospitais no SNS que não conseguem cumprir os tempos máximos de espera quando se trata de cirurgias oncológicas prioritárias, aumentando em quatro o número de hospitais com dificuldade de resposta face ao ano passado.

De acordo com os dados analisados pelo JN, o Hospital de Faro demorada 1.390 dias (3,8 anos) a garantir uma primeira consulta de ortopedia, enquanto nas consultas de prioridade normal tinha um tempo de espera na ordem de 1.309 dias. Por sua vez, o Hospital Sousa Martins, na Guarda, tinha o tempo de esperado fixado em 1.814 dias (cinco anos) para cardiologia.

Recomendadas

DGS recomenda uso de máscaras em bares e discotecas sempre que possível

Em resposta a uma pergunta enviada pela Agência Lusa, a DGS esclareceu que na orientação que define as regras aplicáveis a bares e discotecas, apenas prevê a utilização obrigatória de máscara pelos respetivos trabalhadores, mas “recomenda a utilização de máscara comunitária certificada ou máscara cirúrgica na comunidade, em todos os espaços interiores, sempre que possível (designadamente, no caso concreto, quando os respetivos utilizadores não se encontrem a dançar ou a beber)”.

Covid-19: Madeira prevê começar a vacinar crianças no próximo dia 14

“As vacinas [destinadas a vacinar crianças] chegam a 13 de dezembro, uma semana antes do previsto”, disse Pedro Ramos em conferência de imprensa destinada a fazer o balanço da situação epidemiológica da covid-19 na Madeira.

Anthony Fauci: “Não se pode dizer que a variante Ómicron apresente um alto grau de gravidade”

“Claramente, na África do Sul, a Ómicron está a propagar-se mais”, disse o epidemiologista em entrevista à CNN, numa alusão aos casos de covid-19 associados a esta nova variante. “Mas, até agora, mesmo sendo muito cedo para tirar conclusões definitivas, não se pode dizer que apresente um alto grau de gravidade”, declarou. “Até ver, os sinais sobre a gravidade são algo encorajadores”, repetiu.
Comentários