Tendências para 2018 no e-commerce conduzem Portugal para fase 4.0

A 4.ª década digital é dominada pela explosão da utilização da internet (nomeadamente através dos smarthphones ) e das redes sociais à escala global, o que resultou num crescimento exponencial do comércio eletrónico em todo o mundo.

Cristina Bernardo

Conteúdo, comércio, comunidade, contexto, personalização e pesquisa vertical estas são as palavras chave do e-commerce em 2018. A ACEPI – Associação da Economia Digital, juntamente com a análise dos resultados alcançados pelo e-commerce em Portugal em 2017, avançou o conjunto das principais tendências para 2018 neste universo.

A 4ª década digital é dominada pela explosão da utilização da internet (nomeadamente através dos smarthphones ) e das redes sociais à escala global, o que resultou num crescimento exponencial do comércio eletrónico em todo o mundo. Os mais diversos modelos são hoje usados pelas empresas para vender a outras empresas (B2B), aos consumidores (B2C), e até ao Estado (B2G).

As maiores disrupções nos modelos de negócio tradicionais provocadas pela digitalização centram-se sobretudo na experiência do cliente, já que as novas tecnologias digitais impulsionaram mudanças significativas na forma como os consumidores comunicam entre si, efetuam transações comerciais e interagem com marcas e empresas.

Para além do novo perfil emergente dos consumidores 4.0, o qual, segundo sublinhou Alexandre Nilo Fonseca, presidente da direção da ACEPI,  irá “consolidar-se acentuadamente em 2018”, o e-commerce irá também refletir a rápida transformação digital dominada pela cloud, pelo mobile, pela big data e pelas redes sociais que está a ocorrer de forma transversal em toda a economia e onde os aceleradores tecnológicos da inovação, tais como o IoT, a IA, a Realidade Virtual e o Block Chain, têm um papel cada vez mais relevante.

Assim, a quem busca o sucesso no capítulo da digitalização em 2018, a ACEPI sugere que assuma como prioridades: “novas audiências e fontes de receita; novos modelos de negócio;  desenvolvimento de produtos e serviços centrados nos clientes; CRM; estratégia opticanal; eficiência operacional; novas competências de recursos humanos e talentos, bem como considerar novos canais de distribuição”.

Para este ano, antevê que se assista a uma consolidação da realização da experiência do e-commerce através de vários dispositivos, sendo que a compra pode ser iniciada num dispositivo móvel e concluída num desktop ou vice-versa (showrooming e webrooming). Haverá também uma presença crescente em várias plataformas, através das Apps e das API’s.

Assim sendo, a abordagem das empresas aos novos modelos de negócio “terá necessariamente” que contemplar além do online, as redes sociais, o móvel, e as lojas físicas (cuja tendência é para se tornarem cada vez mais em showrooms). “Neste contexto, é preciso conhecer profundamente o consumidor, impulsionar melhores recomendações, utilizar sistemas de previsão rigorosos e abrangentes, e retirar partido dos benefícios oferecidos pela Big Data”, frisa o responsável.

Importa ainda reter que quem compra quer poder comprar em todos os canais, da mesma forma, os mesmos produtos e ter ao seu dispor o mesmo tipo de serviços de atendimento, de pagamento e de entrega. Logo, o caminho dos novos modelos centram-se na capacidade dos retalhistas em oferecer experiências cada vez mais personalizadas, consistentes e coerentes em todos os seus canais aos seus públicos alvo, de modo a conseguirem aumentar os níveis de fidelização e aumentarem as receitas. O que se traduz na necessidade de apostar em plataformas escaláveis e abertas e na presença em múltiplos canais, no momento certo, no local certo (o designado, “optichannel”).

 

 

 

 

Recomendadas

Do “Cartão Vermelho” ao “Fora de Jogo”: como combater as ilegalidades do futebol português? Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Presidente da República diz que Alemanha e Volkswagen prometeram e cumpriram com Portugal

“A Autoeuropa correu bem porque, em primeiro lugar – como já disse o senhor primeiro-ministro -, nós mostrámos que éramos capazes de fazer bem feito”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, salientando que os portugueses também demonstraram ser capazes de ser consistentes na produção de qualidade, capacidade de resiliência e de inovação.

Portuguesa Blue Oasis Technology foi uma das startups vencedoras do programa das fundações Oceano Azul e Calouste Gulbenkian

A empresa, com menos de um ano de vida, desenha, constrói e instala “recifes” artificiais que permitem a, recuperação de ecossistemas marinhos danificados e a reversão do declínio da biodiversidade do oceano. Noruegueses da Tekslo Seafood e argentinos da FeedVax também se destacaram.
Comentários