Tenho um contrato de trabalho temporário. Quais são os meus direitos?

Trabalhadores temporários devem gozar da mesma proteção dos demais trabalhadores, pelo que tanto a empresa de trabalho temporário como a empresa utilizadora do trabalho temporário devem cooperar nesse sentido.

Os trabalhadores temporários devem gozar da mesma proteção dos demais trabalhadores, pelo que tanto a empresa de trabalho temporário (ETT) como a empresa utilizadora do trabalho temporário (EUTT) devem cooperar nesse sentido.

“É importante ter em conta quanto ao trabalhador temporário, a sua qualificação profissional e a aptidão física e mental para as atividades de trabalho que vai desempenhar. A empresa de trabalho temporário e o trabalhador temporário a colocar também devem estar cientes das situações de risco inerentes ao trabalho a desenvolver, bem como das respetivas medidas de prevenção e proteção equacionadas ou a adotar”, explica a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

Mas quais são, então, as obrigações da ETT e da EUTT?

O trabalho temporário estabelece-se numa relação triangular entre o trabalhador, a ETT e a EUTT. A ETT é quem contrata, remunera e exerce o poder disciplinar sobre o trabalhador temporário e um cliente utilizador, enquanto a EUTT, dá e recebe o trabalho de um trabalhador que não pertence aos seus quadros, mas sobre quem exerce poderes de direção e fiscalização, esclarece a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).  Neste sentido, as obrigações para com o trabalhador temporário, em matéria, de segurança e saúde são da responsabilidade de ambas as empresas.

Que responsabilidades específicas tem a empresa de trabalho temporário?

A empresa de trabalho temporário tem a responsabilidade de providenciar um seguro de acidentes de trabalho, exames de saúde e formação profissional.

E a empresa utilizadora de trabalho temporário?

É da responsabilidade desta entidade exercer a vigilância média especial, a avaliação e controlo de riscos, o equipamento de proteção individual e a formação em SST.

Que deveres comuns partilham?

Os trabalhadores temporários devem gozar da mesma proteção dos demais trabalhadores, pelo que tanto a empresa de trabalho temporário como a empresa utilizadora do trabalho temporário devem cooperar nesse sentido.

“Para isso é importante ter em conta quanto ao trabalhador temporário, a sua qualificação profissional e a aptidão física e mental para as atividades de trabalho que vai desempenhar. A empresa de trabalho temporário e o trabalhador temporário a colocar também devem estar cientes das situações de risco inerentes ao trabalho a desenvolver, bem como das respetivas medidas de prevenção e proteção equacionadas ou a adotar”, explica a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

Ler mais
Relacionadas

É “mais importante proteger o trabalhador” do que o trabalho, diz diretor do Emprego da OCDE

Diretor do Emprego, Trabalho e Assuntos Sociais da OCDE explicou que são os postos de trabalho que requerem menores qualificações que estão mais expostos à automação de tarefas e por acréscimo ao risco de desaparecimento.

Três em quatro trabalhadores dizem não ter obstáculos na conciliação entre a vida profissional e pessoal

Imprevisibilidade do horário ou horário atípico e horário de trabalho longo são os principais obstáculos à conciliação entre as duas esferas. Já a flexibilidade do horário laboral é considerada ainda diminuta, embora a maioria dos trabalhadores reconheça a possibilidade de proceder a modificações da sua hora de entrada ou de saída em pelo menos uma hora.
Recomendadas

Afinal, posso ser multado se conduzir de chinelos?

Sendo Portugal um país conhecido pelas suas praias e pelo clima quente, com a chegada do verão a mesma pergunta volta a ser colocada: é ou não permitido conduzir de chinelos de acordo com a lei?

Notas do 9.º ano descem a Português e Matemática volta à positiva

As médias dos alunos do 9.º ano nos exames desceram este ano a Português e a Matemática, voltando a uma média positiva, mas com uma taxa de reprovação ainda a rondar os 30%, segundo dados oficiais divulgados esta segunda-feira.

O meu senhorio quer que saia do apartamento onde vivo. Quais são os meus direitos?

Saiba como atuar se o seu senhorio o quiser despejar do imóvel onde habita.
Comentários