Ténis Nike usados por vencedores de maratonas em risco de serem banidos

Atualmente, as regras da World Athletics sustentam que os ténis de corrida não podem conferir “assistência ou vantagem injusta” perante os outros e que precisam de estar “razoavelmente disponíveis” aos outros.

DR

Um homem e uma mulher detêm os recordes mundiais de corrida em maratona em tempo recorde. No entanto, estes dois atletas têm algo em comum, uma vez que competiram com os ténis da Nike, modelo Vaporfly. Agora, diversos estudos apontam que estes mesmos sapatos aumentam a eficiência energética dos atletas em 4% ou mais, revela o ‘Business Insider’.

O corredor Eliud Kipchoge quebrou o recorde da maratona de Berlim em 2018 e em Viena concluiu a maratona em menos de duas horas, alcançando um novo recorde. Também Brigid Kosgei atingiu um novo recorde na maratona de Chicago, em 2 horas, 14 minutos e quatro segundos, apenas por 81 segundos do prévio recorde.

Após o resultado dos estudos da Nike e de entidades independentes, alguns maratonistas e peritos afirmam que o calçado da Nike confere uma vantagem injusta perante os outros que participam nas mesmas provas.

A entidade World Athletics, que coordena eventos internacionais de atletismo, formou uma equipa de atletas e cientistas para analisar o calçado e a sua tecnologia. Agora, a entidade vai analisar os dados e dentro de algumas semanas sai a decisão relativamente à proibição ou regulamentação dos Vaporflys.

Atualmente, as regras da World Athletics sustentam que os ténis de corrida não podem conferir “assistência ou vantagem injusta” perante os outros e que precisam de estar “razoavelmente disponíveis” aos outros. Agora, o desafio da entidade vai ser encontrar “o equilíbrio nas regras técnicas entre incentivar o desenvolvimento e o uso de novas tecnologias no atletismo e a preservação das características fundamentais do desporto: acessibilidade, universalidade e justiça”.

Qual o segredo dos Nike Vaporfly?

Este é um segredo de tecnologia que quase nada tem de tecnológico.

Estes ténis protegem as pernas do impacto quando o pé alcança o chão, uma vez que as sapatilhas armazenam e libertam energia suficiente para impulsionar o corredor para a frente. A sola que se encontra no meio age como uma mola, comprimindo quando o corredor pousa o pé no chão, e armazena a energia do golpe. Desta forma, a mola volta a expandir para devolver a energia armazenada ao solo, empurrando o corredor para a frente.

As solas dos Vaporfly unem uma camada de espuma e uma placa de fibra de carbono para minimizar a perda de energia, sendo que este segredo ajuda os corredores a avançar mais em cada passo que dão. Ou seja, eles conseguem correr mais rápido com o mesmo gasto energético.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários