Teresa Damásio: “Queremos ser um grupo de ensino global”

O ENSINUS integra 13 estabelecimentos, da creche ao superior. Entre os seus desafios, o destaque pertence à internacionalização do ISG e ao financiamento do ensino profissional, revela a nova administradora.

Teresa Damásio

“Só conseguiremos vencer no panorama educativo nacional, europeu e internacional se tivermos dimensão global e formos sustentáveis”. Teresa Damásio, a nova administradora do grupo ENSINUS – Estudos Superiores, SA, assenta a sua estratégia nessa certeza. Sob a sua alçada tem um projeto de ensino vertical composto por 12 instituições, que vão da creche ao superior, passando pelo básico, secundário e ensino profissional com tudo o que nele existe (aprendizagem, vocacionais, EFAs, etc.).

A antiga deputada do PS, membro da atual direção da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo assume uma linha de continuidade com a gestão anterior, mas traz consigo um vento de mudança, ou, como prefere dizer, um conjunto de desafios importantes: “Renovação, identidade corporativa e internacionalização.” O propósito é afirmar o ENSINUS, detido desde 2006 pelo grupo Lusófona, de onde Teresa Damásio chega, como grupo de ensino global e garantir a sua sustentabilidade face ao que se avizinha num futuro próximo – a perda de financiamento do ensino profissional.

“Temos que funcionar numa lógica de grupo”, sublinha ao Jornal Económico, escudando a necessidade de uma entidade corporativa no argumento de que “juntos somos mais fortes”. Estas são, de resto, as palavras que acompanham a nova imagem do grupo actualmente em fase de reorganização. “Estamos a fazer o chamado ‘rebranding? De todas as as nossas escolas com a preocupação de termos uma identidade corporativa”.

Quando foi eleita em julho último, Teresa Damásio imprimiu, desde o primeiro instante, uma liderança com cunho feminino. Constituiu, desde logo, uma equipa de suporte, composta pelos responsáveis das diferentes áreas da organização – comunicação, relações internacionais, jurídica, globalização, financeira, sistemas de informação, contabilidade, compras, entre outras – com a qual se reúne todas as semanas. Cada elemento destes está, por sua vez, ligado a ‘pivots’ nos estabelecimento de ensino do grupo com os quais se reúne também semanalmente.

A equipa, quase totalmente feminina (recorreu à ‘prata da casa’), está próxima no espaço físico da ‘mãe’: o ISG – Instituto Superior de Gestão, a mais velha instituição do grupo ENSINUS, única unidade de ensino superior de cariz universitário e, porventura a mais conhecida das 13. “Chamo-lhe ‘mãe’ porque do ponto de vista da nossa oferta formativa, o projecto termina aqui. Pretendemos que os alunos e as alunas comecem connosco e nos acompanhem ao longo da sua vida formativa… até aqui.”

O ISG deixou a Ameixoeira às portas do verão e instalou-se no edifício que faz gaveto entre o Campo Grande e a Avenida Marechal Craveiro Lopes, em Lisboa. É ai, no último andar, que Teresa Damásio comanda a aplicação da estratégia de internacionalização destinada a afirmar o grupo ENSINUS num contexto de globalização. A linha avançada dessa estratégia de internacionalização é justamente o ISG. “Temos que nos centrar no futuro. Temos que ter mais alunos, portanto temos que recrutar no estrangeiro.”

A Ásia e o Médio Oriente é o target. A procura faz-se a partir da Índia, do Bangladesh, do Paquistão e, mais além da China. Respaldada por organizações internacionais do nível da AIRC – American International Recruitment Council, às quais se associou, Teresa Damásio trabalha no terreno através de agentes.

Ao Jornal Económico enaltece o esforço do pessoal diplomático português nesta parte do mundo para tentar responder à pressão da procura. Tem, neste momento, 100 alunos em processo de visto e conta ter 50 cá até janeiro. Nada comparado com a fasquia que estabeleceu para daqui a dois/três anos: “O objetivo é ter 50% alunos internacionais aqui”.

Num grupo com 13 instituições – além do ISG e de dois estabelecimentos em Moçambique, o ENSINUS integra também o INP, a Escola de Comércio de Lisboa, a Escola de Comércio do Porto, o INETE, o EPET, a INAE , o Colégio de Alfragide e os Externatos Marquês de Pombal e Álvares Cabral -, em que muitas ministram ensino profissional, o financiamento é a grande preocupação. Teresa Damásio admite que o governo não o diz, mas está convencida de que no pós-2020, não haverá financiamento para as escolas profissionais. Daí a meta traçada: “Em 2019/2020 tenho de ter, nas escolas profissionais, 50% de auto-financiamento.”

A sustentabilidade, alerta, “é o único caminho para quem quiser sobreviver”.

Foto de Tiago Caramujo

Ler mais
Recomendadas

Desempregados inscritos no centro de emprego baixam para 297 mil em julho

Esta redução de desemprego em julho traduziu-se em menos 33.297 indivíduos inscritos do que em julho de 2018 e menos 901 desempregados inscritos do que em junho deste ano.

easyJet vai recrutar copilotos em Lisboa

É requisito obrigatório um mínimo de 500 horas de experiência de voo no modelo A320.

Técnico entra na revolução das comunicações

Portugal passou na prova e vai contribuir para o futuro das comunicações quânticas sem-fio. Europa quer liderar esta nova tecnologia e disponibiliza mil milhões para o seu desenvolvimento.
Comentários