Terrorismo leva sete países a cortar relações diplomáticas com Qatar

“As medidas são injustificadas e baseiam-se em alegações que não têm razão de ser”, responde o país. As companhias aéreas Ethiad e Emirates suspenderam os voos para Doha.

A Arábia Saudita, o Egito, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein, o Iémen, a Líbia e as Maldivas puseram fim às suas alianças com o Qatar esta segunda-feira (5), acusando o país de apoiar o terrorismo e abrindo, assim, uma das maiores brechas diplomáticas dos últimos anos entre alguns dos estados árabes mais poderosos.

A notícia foi avançada esta manhã pela agência Reuters, que lembra também que este boicote altera drasticamente os apoios do Qatar à organização islâmica Irmandade Muçulmana e acrescenta acusações de que Doha ainda apoia a agenda do Irão, o principal rival da região. O gigante do petróleo, a Arábia Saudita, acusou o Qatar de apoiar grupos militantes e de transmitir-lhes a sua ideologia.

“[O país] recebe múltiplos grupos terroristas e setoriais que querem perturbar a estabilidade da região, incluindo a Irmandade Muçulmana, o Estado Islâmico e a Al-Qaeda, e promover constantemente mensagens e esquemas desses grupos através de dos seus meios de comunicação”, afirmou a agência estatal saudita, SPA. O comunicado estatal acusa ainda o Qatar de apoiar o que descrevem como sendo “militantes apoiados pelo Irão na região oriental de Qatif e no Bahrein, povoada pelos muçulmanos xiitas”.

O Qatar não emitiu uma reação de forma imediata mas respondeu entretanto, lamentando a decisão que considera ser “injustificada”. “As medidas são injustificadas e baseiam-se em alegações que não têm razão de ser. (…) Não terão qualquer efeito na vida dos cidadãos e residentes”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros do Qatar, em declarações citadas pela Al Jazeera.

Todas as nações anunciaram ainda a retirada dos diplomatas do Qatar dos seus territórios, a par com planos para cortar as ligações aéreas e marítimas, sendo que a Arábia Saudita deu conta de que pretende encerrar a sua fronteira terrestre com o Qatar, deixando-o o efetivamente isolado do resto da península arábica. Trata-de de um autêntico “sismo diplomático”, 15 dias depois da visita do presidente americano, Donald Trump, a Riade, onde qual pediu aos países muçulmanos para agirem de forma decisiva contra o extremismo religioso.

Na sequência desta medida, as companhias aéreas Etihad Airways, Emirates Airlines e a FlyDubai suspenderam os seus voos para Qatar, com efeitos a partir da próxima terça-feira, dia 6. A transportadora dos Emirados, que deu a informação na rede social Twitter, adiantou em comunicado que “até nova ordem” a interrupção vai manter-se assim e que vai disponibilizar aos seus passageiros visados “outras opções”, incluindo o reembolso total dos bilhetes de avião.

Notícia atualizada às 11h33

Ler mais
Relacionadas

Foi assim que a televisão da Arábia Saudita anunciou o corte relações com o Qatar

A televisão da Arábia Saudita anunciou ao país o corte de relações diplomáticas com o Qatar. Uma mensagem mais sóbria do que a justificação, conhecida posteriormente, de o país de minar a segurança dos aliados e de financiar o terrorismo.
Recomendadas

Spotify e Tinder juntam-se ao Fortnite para contestar as regras da loja digital da Apple

O resultado da parceria entre três dos mais influentes ‘players’ do mercado de aplicações para smartphone é a criação do ‘Coalition for App Fairness’. As empresas envolvidas acusam a Apple de “sufocar” a concorrência e a inovação através das suas políticas na loja digital (App store).

Rainha de Inglaterra resgatada pelo governo britânico para compensar desvalorização de património

O governo de Boris Johnson vai mesmo avançar com o resgate financeiro ao património imobiliário da rainha de Inglaterra, depois deste ter desvalorizado 590 milhões de euros, fruto da pandemia de Covid-19.

Aeroporto de Helsínquia vai usar cães farejadores para detetar Covid-19 em passageiros

“O que observámos na nossa investigação é que os cães encontram-na [a doença] cinco dias antes deles [pacientes] apresentarem quaisquer sintomas clínicos, explicou a responsável pela investigação.
Comentários