Tesla tem mais um posto de ‘super carregamento’ em Portugal

O novo ‘Supercharger’, na Guarda, é o terceiro no país. A empresa liderada por Elon Musk quer continuar a expandir a rede de postos de carregamento rápido a nível nacional. O mecanismo de carregamento de veículos elétricos permite que os proprietários de um Tesla possam fazer viagens de longas distâncias de forma mais confortável, permitindo carregá-los em 30 minutos e ter 270 quilómetros de autonomia.

Os donos de um Tesla têm um novo posto de ‘super carregamento’ em Portugal. A fabricante automóvel anunciou esta quarta-feira que abriu uma nova estação de Superchargers no Hotel Lusitânia, no distrito da Guarda.“Esta estação conta com oito Superchargers individuais e liga Portugal com Espanha, ao mesmo tempo que possibilita novas rotas entre o norte e o sul de Portugal”, explica a marca, em comunicado.

A primeira rede nacional de supercarregadores da Tesla chegou a 3 de janeiro a Portugal, com a abertura da estação Supercharger na Floresta Fátima Hotel, na cidade de Fátima (Ourém). O mecanismo de carregamento de veículos elétricos permite que os proprietários de um Tesla possam fazer viagens de longas distâncias de forma mais confortável, permitindo carregá-los em 30 minutos e ter 270 quilómetros de autonomia.

O novo Supercharger,na Guarda é o terceiro no país, que já tem 24 ‘supercarregadores’ individuais. A empresa liderada por Elon Musk quer continuar a expandir a rede de postos de carregamento rápido a nível nacional, tanto de Superchargers como de Destination Charging. “A Tesla quer garantir uma experiência de carregamento uniforme, independentemente do lugar onde os proprietários queiram viajar. Ambas as continuarão a crescer nos próximos meses, acrescentando novos sítios de carregamento em Portugal”, assegura a fabricante autómovel norte-americana.

Relacionadas

Supercarregadores da Tesla chegaram a Portugal

A primeira rede nacional Supercharger da marca abriu esta quarta-feira na Floresta Fátima Hotel, na cidade de Fátima.
Recomendadas

Ford condenada a pagar 611 mil euros por vender carros com defeito na Tailândia

A maioria dos queixosos deste processo coletivo vai receber pagamentos entre os 6,79 euros e os 679 euros, dependendo do número de vezes e do tempo que os carros passaram nas oficinas de automóveis a serem reparados.

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

“A Associação Mutualista vai voltar a ter resultados positivos este ano”

Tomás Correia diz que este ano a Associação vai ter lucros e vai começar a libertar imparidades da Caixa Económica, o que ajuda os lucros e os capitais próprios. Recusa qualquer relação privilegiada com o BES e admite escolher em breve o ‘Chairman’ do banco.
Comentários