Tesouro leiloa dívida de curto prazo na próxima quarta-feira

Os leilões de Bilhetes do Tesouro a três e 11 meses têm um montante indicativo global entre os 1.000 milhões e os 1.250 milhões de euros.

D.R.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP vai realizar dois leilões duplo de dívida pública de curto prazo na próxima quarta-feira. A colocação, que irá acontecer por volta das 10h30, será de Bilhetes do Tesouro (BT) a três e 11 meses, segundo anunciou esta sexta-feira em comunicado.

Os leilões de títulos com maturidades em 18 de janeiro de 2019 e 20 de setembro de 2019, têm um montante indicativo global entre os 1.000 milhões e os 1.250 milhões de euros.

A 15 de agosto, o Tesouro pagou uma taxa média ponderada de -0,432% para colocar 250 milhões de euros em dívida a três meses e de -0.291% para emitir 750 milhões de euros em papel a 11 meses.

Em termos de procura, nos BT a três meses superou a oferta 2,7 vezes enquanto  na dívida a 11 meses o rácio bid-to-cover foi de 2,5 vezes.

[Atualizada às 16h12]

Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários