Teste à Constituição dos EUA

Não se duvidará que muitas das decisões normativas de Trump acabarão por chegar, mais tarde ou mais cedo, ao Supremo Tribunal. E é neste ponto que os juízes terão a palavra.

Suponho que não restarão grandes dúvidas quanto à verdadeira questão que a presidência Trump colocará nos próximos tempos: a resistência da Constituição norte-americana às suas políticas. A divulgação ontem do novo Juiz do Supremo Tribunal, Neil Gorsuch, teve o relevo mediático que marca esta presidência. Na verdade,uma das preocupações de Trump é trazer a televisão para dentro da Casa Branca e fazer da função presidencial um permanente exercício de “democracia mediática”. Mas convém não ignorar a substância das coisas. E a nomeação de Gorsuch não é uma notícia inteiramente má. Sobretudo quando comparada com as restantes decisões tomadas esta semana e as muitas (e funestas) trapalhadas subsequentes.

É claro que não se esperaria outra escolha que não a de um jurista conservador na linha do recentemente falecido Antonin Scalia. Mas pelo que se sabe, Gorsusch sendo um originalista que lê a Constituição de forma literal e que, em coerência com tal entendimento, tende a não favorecer por exemplo, os direitos dos homossexuais, a “affirmative action” ou a legalização do aborto, nem sempre as suas concepções o levaram, no passado, a adoptar soluções conservadoras. Em suma, é um nome que bem poderia ser escolhido por Bush ou Reagan e, apesar de tudo,  ideologicamente bem mais à esquerda do que o seu futuro colega de tribunal Clarence Thomas.

Não se duvidará pois que muitas das decisões normativas de Trump acabarão por chegar, mais tarde ou mais cedo, ao Supremo Tribunal. E é neste ponto que os juízes terão a palavra. Haverá que reconhecer que o Supremo, considerado o mais prestigiado órgão de soberania norte-americano, nem sempre foi exemplo para ninguém. Algumas das suas decisões ao longo de dois séculos de vida tiveram momentos depressivos e mesmo infames (manutenção da segregação racial, por exemplo).

Mas, em geral, pode dizer-se que desde a presidência do Juiz Warren (1953-1968) o Tribunal acertou o passo na defesa da igualdade, da integração racial, da liberdade de expressão, da liberdade religiosa e mesmo, embora de forma mitigada, dos direitos sociais. E para isso tem contribuído uma cultura muito própria do Tribunal, onde a esmagadora maioria das decisões são tomadas por unanimidade. E mesmo sendo os juízes escolhidos pelas orientações filosóficas, mais do que políticas, não é menos verdade que tem prevalecido nos últimos anos uma sensível orientação de autocontenção (“self restraint”), segundo a qual os juízes se abstêm de discutir as opções político-ideológicas do legislador. Esta cultura tem sido a garantia de uma correcta interpretação da Constituição (na maior parte dos casos). Veremos se e como a Constituição, e o que dela quiser fazer o Supremo, resistirão à presidência Trump!

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

Recomendadas

Um Irão irado não é bom para ninguém

Cabe à UE, em conjunto com China e Índia, salvar o acordo nuclear, de forma a não encurralar ainda mais o gigante persa. A última coisa de que o Médio Oriente precisa é de mais uma guerra.

Os olvidados

Impressiona-me que gente que estudou nas melhores universidades nacionais e internacionais padeça de uma falta de memória digna do mais avançado doente de alzheimer.

Sortudo versus Azarado

Devemos investir em ativos reais que estejam expostos ao crescimento da economia mundial. Investir em ações, que são fatias de negócios, continua a ser a melhor forma de proteger e aumentar a riqueza.
Comentários