TGV volta à discussão: ligar Lisboa-Porto em “pouco mais de uma hora” é ambição de Pedro Nuno Santos

Ministro das infraestruturas diz que o primeiro objetivo é fazer ligação ferroviárias entre as duas maiores cidades do país em menos de duas horas.

Chame-se-lhe TGV ou outro nome qualquer, a questão da alta velocidade ferroviária voltou à ordem do dia, em plena campanha eleitoral para as legislativas.

“Em Portugal, nós fazemos o debate político com base em ‘slogans’. TGV é considerado comboio de alta velocidade, mas há muitas marcas. TGV é [uma marca] francesa”, desvalorizou Pedro Nuno Santos, em entrevista, ontem, dia 9 de setembro, à noite, ao programa da RTP3, ‘Tudo é Economia’.

“A partir dos 250 quilómetros já se considera TGV. As linhas que nós estamos a fazer são linhas que permitem que os comboios circulem até aos 250 quilómetros/hora. O que nós devemos falar é a velocidade a que nós queremos ligar dois pontos. E eu julgo que deve ser uma ambição do país nós conseguirmos ligar Lisboa e Porto à maior velocidade possível e viável, obviamente”, defendeu o governante.

O ministro das Infraestruturas entende que, “por isso, deve ser uma ambição que o país tem, dentro das capacidades financeiras e orçamentais que o país tem”.

“Nós temos prevista a optimização das infraestruturas que nós temos, criando quatro variantes na linha do Norte, que já vão permitir ganhar muito tempo. Nós ainda hoje não fazemos Lisboa-Porto em duas horas. Esse é o nosso primeiro objetivo”, assumiu o ministro.

Pedro Nuno Santos foi mais longe: “agora, ambição, ambição nós temos: já tive a oportunidade de dizer que será um grande ganho para o país fazer a ligação Lisboa-Porto em pouco mais de uma hora”.

“Sem nunca esquecer a ferrovia como um instrumento de promoção da coesão do território todo. Por isso, é que no programa eleitoral do PS um dos nosso objectivos é lançar a elaboração de um Plano Nacional Ferroviário, que terá como um dos objetivos ligar todas as capitais de distrito. Nós não temos algumas: Vila Real, Bragança, Viseu”, advertiu Pedro Nuno Santos.

Ler mais
Relacionadas

Pedro Nuno Santos: sem Montijo aprovado, “país vai ter um pagamento astronómico”

Ministro das Infraestruturas assumiu, ontem à noite, em entrevista ao programa ‘Tudo é Economia’, da RTP3, que a partir deste ano o aeroporto Humberto Delgado vai passar a rejeitar pedidos de voos por estar saturado em termos de capacidade.
Recomendadas

Desafios aos quais as organizações devem responder

É importante que os líderes atuem como agentes de mudança e articulem claramente as vantagens para a elevada satisfação no trabalho, incluindo a formação das chefias nas suas responsabilidades essenciais.

“Mercados em Ação”. “Vitória de Joe Biden nos EUA vai ajudar muito a EDP”

Na última edição do programa “Mercados em Ação”, da plataforma multimédia JE TV, Miguel Gomes da Silva, head of treasury and trading do Montepio, analisou os desafios do novo CEO da EDP, Miguel Stilwell, escolhido esta semana para gerir os destinos da elétrica até 2023.

“Mercados em Ação”. “Galp está a transformar-se. Fecho da refinaria de Matosinhos foi um exemplo”

Futuro da Galp e os desafios do seu novo CEO, Andy Brown, foram temas abordados na última edição do programa “Mercados em Ação”, da plataforma multimédia JE TV, Miguel Gomes da Silva, head of treasury and trading do Montepio.
Comentários