The Navigator Company produziu em 2018 cerca de 4% da energia elétrica em Portugal

Energia produzida pela empresa no ano passado bastaria para alimentar a região do Algarve de energia elétrica durante um ano; ou iluminar as vias públicas em Portugal continental durante 20 meses.

A The Navigator Company, ex-Portucel, produziu no ano passado 2,2 TeraWatts/hora (TWh) de energia elétrica a partir de fontes alternativas: das duas centrais termoelétricas, das duas centrais fotovoltaicas, das quatro centrais de cogeração a biomassa e de mais duas centrais de cogeração a gás natural.

A informação foi disponibilizada no último número da newsletter interna do grupo, referente ao mês de agosto, com uma edição especial sobre alterações climáticas.

De acordo com essa publicação, este volume de produção elétrica – concretamente, 2.200.000.000 kWh – corresponde a aproximadamente a 4% da produção anual de energia elétrica em Portugal, um valor que pode variar numa base anual entre 4% e 5%.

Segundo os responsáveis da The Navigator Company, a energia produzida pela empresa no ano passado teria sido suficiente para alimentar a região do Algarve de energia elétrica durante um ano; ou iluminar as vias públicas em Portugal continental durante 20 meses; ou iluminar as vias públicas da área metropolitana de Lisboa durante oito anos; ou ainda alimentar cerca de 1,6 milhões de carros elétricos (tendo por referência um veículo como o Nissan Leaf) numa viagem de ida e volta entre Lisboa e Moscovo.

Desta forma, a The Navigator Company assume-se como o “maior produtor nacional de energia elétrica com recurso a biomassa”, acrescentando que a empresa “mantém na mira a eficiência energética, com o intuito de assegurar a melhoria contínua do seu desempenho energético e económico”.

“O recurso a fontes renováveis torna o setor da pasta e papel num efetivo contribuinte para o sucesso das políticas climáticas no espaço europeu”, destacam os responsáveis da empresa.

A The Navigator Company gere duas centrais termoelétricas a biomassa em Aveiro e Setúbal, as quais produzem exclusivamente energia elétrica, que é injetada na rede elétrica nacional.

A empresa gere também duas centrais fotovoltaicas, que dispõem de mais de 8.800 painéis solares fotovoltaicos em Setúbal, ” a maior deste tipo em ambiente industrial em Portugal”, que produz energia para a fábrica de papel ‘About The Future (ATF)’, também em Setúbal.

A outra central fotovoltaica do grupo localiza-se na Herdade da Espirra, em Pegões, com 352 painéis solares e capacidade para abastecer cerca de 30% do consumo da herdade.

A The Navigator Company dispõe ainda de mais quatro centrais de cogeração de biomassa – em Aveiro, Setúbal e Figueira da Foz – mais duas centrais de cogeração a gás natural, em Setúbal e Figueira da Foz.

“As seis produzem energia elétrica e energia térmica (calor), utilizada no processo de fabrico de pasta e papel nas unidades industriais da Navigator”, garante a empresa.

A The Navigator acrescenta ainda que com esta produção de energia elétrica no ano passado, a empresa conseguiu a redução de 594 kt (kilotoneladas) de emissões de CO2 (dióxido de carbono), “evitadas pela produção de energia elétrica a partir da biomassa”.

Ler mais
Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários