Tik Tok cobra até dois milhões por dia por destaques publicitários

O preço total aumentou em grande parte devido à crescente base de clientes da rede social. Só nos EUA a aplicação tinha mais de 100 milhões de utilizadores ativos por mês em agosto.

A rede social Tik Tok, com origem na China, pediu mais de 1,4 milhões de dólares (1,1 milhões de euros) por destaques publicitários na sua página inicial nos Estados Unidos durante o terceiro trimestre, de acordo com um documento consultado pela “Bloomberg”.

Segundo os analistas consultados pela agência financeira, espera-se que o valor aumente para 1,8 milhões de dólares (1,4 milhões de euros) no quarto trimestre e pode chegar aos dois milhões de dólares (1,6 milhões de euros).

Os novos preços representam um aumento significativo em relação ao que a Tik Tok cobrava há apenas um ano, de acordo com fontes da “Bloomberg”. O preço total aumentou em grande parte devido à crescente base de clientes da rede social. Só nos EUA a aplicação tinha mais de 100 milhões de utilizadores ativos por mês em agosto de 2020.

Como justificação pelo aumento dos preços cobrados por destaques publicitários, a Tik Tok  refere que “qualquer pessoa que compre essa unidade de publicidade pode gerar 109 milhões de em retorno”.

A Tik Tok ainda não atingiu os valores recebidos pelas rivais com a base de utilizadores que tem e ainda está a construir a sua equipa de publicidade. Os anunciantes não dedicam grande parte dos seus orçamentos à Tik Tok da mesma forma que fazem, por exemplo, com o YouTube. “É apenas uma questão de tempo”, diz Brian Wieser, presidente da gigante da publicidade GroupM. Wiser refere que Facebook, Instagram, Snapchat, Pinterest e YouTube “passaram pelo mesmo ciclo de crescimento de utilizadores seguido por vendas de publicidade”.

Embora o negócio de publicidade da Tik Tok permaneça menos maduro do que o das concorrentes, a dona da rede social, ByteDance, já é uma das maiores anunciantes do mundo. Só em vendas na China faturou 20 milhões de dólares (16,5 milhões de euros) no ano passado e prevê que as suas vendas globais de anúncios cheguem aos 40 milhões de dólares (33 milhões de euros) ainda este ano.

Recomendadas

Os caminhos da recuperação empresarial

Com a perspetiva do aumento das insolvências, vários mecanismos visam a celeridade e eficiência na recuperação de empresas.

Via extrajudicial continua sem ter interessados

O RERE foi criado como alternativa à vida judicial, mas não tem tido a adesão empresas. Associação de mediadores diz que falta informação.

BES: Pareceres atribuem prejuízos da recompra de obrigações à administração que sucedeu a Salgado

Dois pareceres juntos pela defesa de Ricardo Salgado no processo do Eurofin atribuem à gestão que lhe sucedeu a responsabilidade pelos prejuízos gerados pela recompra das obrigações BES e que levaram à sua condenação pelo supervisor.
Comentários