Todos devemos “meter a colher”

A violência doméstica não tem estado fora da agenda política e Portugal tem dado passos importantes, mas só avançámos meio caminho. E tem de ser feito por todos nós, homens e mulheres.

2019 carrega um número assustador: 29 vítimas mortais em contexto de violência doméstica – 22 mulheres, uma criança de dois anos e seis homens. Mais do que números, falamos de pessoas cuja vida foi roubada por quem fazia parte do seu dia-a-dia. É caso para dizer que o inimigo mora em casa.

Em Portugal, a violência doméstica é a principal causa de morte por homicídio. Entre 2004 e 2018 foram mortas 503 mulheres, mais de mil crianças e jovens ficaram órfãos e todos os anos são apresentadas cerca de 27 mil participações.

As estatísticas fazem soar os alarmes e têm contribuído para uma maior consciencialização pública, mas o cenário é ainda mais perturbador se pensarmos nos inúmeros casos não relatados.

A violência doméstica não tem estado fora da agenda política e Portugal tem dado passos importantes, nomeadamente com os planos nacionais de prevenção e combate a este flagelo, com a tipificação como crime público e a ratificação da Convenção de Istambul, tendo sido o primeiro país da União Europeia a fazê-lo.

Mas só avançámos meio caminho. Quando é noticiada mais uma morte pensamos se este número fica por aqui ou quando será a próxima. Há leis, planos e estratégias, mas o papel aguenta tudo. Mais do que novas leis, é preciso fiscalizar e avaliar o cumprimento das que existem e criar condições no terreno para que as respostas sejam eficazes.

Que Estado é este que não assegura os meios materiais e humanos adequados nas forças de segurança, nas autoridades judiciárias, no SNS e na Segurança Social?

Que Estado é este em que estar sinalizado não chega e em que a violência doméstica é sinónimo de processos arquivados sem provas e sem condenação, de desistência por falta de acompanhamento, pela morosidade e complexidade dos processos?

Que Estado é este que não garante apoio psicológico nas várias fases do processo, desde a denúncia até ao início de uma nova vida, porque faltam profissionais e as equipas multidisciplinares de apoio aos tribunais são uma miragem? As vítimas precisam de confiar no sistema e de ter apoio imediato do Estado, que tem responsabilidades constitucionais nesta matéria. Não é depois, porque a próxima vez pode ser demasiado tarde.

Que Estado é este em que é a vítima quem, em regra, tem de abandonar a casa, acompanhada dos filhos, ficando o agressor na habitação comum, e em que as casas abrigo estão lotadas?

As mulheres são a esmagadora maioria das vítimas, mas não podemos esquecer todos os homens e crianças que vivem este drama. São também preocupantes os dados sobre a violência no namoro, ao mesmo tempo que ganha maior dimensão entre os idosos.

A violência e a desigualdade andam de mãos dadas. As mulheres continuam a ser as maiores vítimas do desemprego, do trabalho a tempo parcial involuntário, da precariedade e dos baixos salários, dificultando a sua subsistência e dos seus filhos, o que pode fazer com que tenham de se sujeitar ao terror dentro de quatro paredes, num silêncio ensurdecedor, até poder ser tarde demais.

A outra metade do caminho que falta passa pela valorização do papel da mulher na sociedade, no trabalho e na família e pela igualdade na lei e na vida, e bem sabemos como esta continua a falhar.

Passa pela educação e sensibilização para a cidadania, o respeito e a igualdade. É sempre tempo de educar, em todas as idades, para estes princípios.

Não é mais tolerável o velho pensamento de que “entre marido e mulher não se mete a colher” ou “faça-as quem as fizer quem as paga é a minha mulher”, nem há qualquer romantismo no termo “crime passional”, que deve ser evitado em primeira instância pela comunicação social. É de crime público e de violação de direitos humanos que falamos.

O combate à violência doméstica é um desafio que se coloca a todos. Todos, homens e mulheres, devem “meter a colher”!

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Lisbonne brûle-t-elle?

Investidores estrangeiros em imobiliário alegam que é preciso garantir que a cidade tenha uma espécie de “reservas de índios” que retenham alguma presença folclórica na multidão estrangeira que esmaga as ruas da cidade.

Agora todos querem ser ecologistas

Ao mesmo tempo que aumentam os discursos ambientais, aumentam também as vozes que pretendem desligar a ecologia política da categorização entre esquerda e direita. A ecologia, enquanto ideologia política, é de esquerda.

Uma trégua na guerra comercial

O acordo comercial não constitui um incentivo ao comércio internacional. Acima de tudo, é uma forma de estancar o efeito de contágio do protecionismo a uma escala global.
Comentários