Torres Vedras cria laboratório vivo para o hidrogénio verde

Plataforma envolve a câmara municipal, empresas locais como a Valouro ou SMAS, e multinacionais como EDP, Finerge, Iberdrola ou Toyota Caetano.

Já foi assinado o memorando de entendimento para a criação do Torres Vedras Living Lab Green Hydrogen, um laboratório vivo para a promoção do uso do hidrogénio verde no concelho oestino. O documento foi rubricado esta semana numa conferência sobre neutralidade carbónica que se realizou no parque de exposições da Feira de São Pedro.

O pacto em prol da sustentabilidade ambiental – com um prazo de cinco anos que pode ser prorrogado – envolve a Câmara Municipal de Torres Vedras, empresas locais como o grupo Valouro ou a SMAS, e multinacionais como EDP – Energias de Portugal, a Finerge, a Iberdrola ou a Toyota Caetano.

As mais de 20 organizações, ao rubricar o documento, comprometeram-se em colaborar “através da partilha de ações e informações entre todos independentemente dos objetivos particulares de cada um, encarregando-se o município em fazer o papel de ligação entre os subscritores do presente memorando, e de divulgação de possíveis fontes de financiamento sejam elas privadas ou públicas, sempre que tal lhe seja proposto e ou solicitado”.

Os subscritores acreditam que Portugal tem “fortes argumentos” para continuar na vanguarda da transição energética e continuar a rumar para uma economia neutra em carbono, tendo por base fontes de energia renovável. Assim, cada uma das empresas, independentemente da indústria em que operam, tem uma nova ferramenta de colaboração multidisciplinar.

O memorando vai ao encontro da Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2) do Governo para desenvolver esta área do sector energético, “promovendo a introdução gradual do hidrogénio verde enquanto pilar sustentável e integrado numa estratégia mais abrangente de transição para uma economia descarbonizada, enquanto oportunidade estratégica para o país”.

“O hidrogénio verde assume um papel central, enquanto opção eficiente para promover, aprofundar e facilitar a transição energética e, em simultâneo, como oportunidade de desenvolvimento económico, industrial, científico e tecnológico no quadro europeu”, lê-se no documento divulgado pela autarquia.

Que entidades estão envolvidas?

  • ISQ – Instituto de Soldadura e Qualidade
  • CaetanoBus
  • EDP
  • Lhyfe
  • Rauschert
  • Câmara Municipal de Torres Vedras
  • Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio (AP2H2)
  • DELAB – Energy Efficiency & Green Power
  • Transportes Paulo Duarte
  • Valouro
  • Smartenergy
  • SMAS – Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Torres Vedras
  • PRF – Gás, Tecnologia e Construção
  • Finerge
  • Cerâmica Torreense
  • Firstrule
  • Winpower – Engenharia e Desenvolvimento
  • Coopérnico – Cooperativa de Desenvolvimento Sustentável
  • INEGI – Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial;
  • Barraqueiro Transportes
  • AdP Energias – Energias Renováveis e Serviços Ambientais
  • ACR Energia
  • Cerâmica Outeiro do Seixo
  • Iberdrola
  • Dourogás Renovável
  • BMI Portugal
  • Fusion-Fuel
  • Toyota Caetano Portugal
Relacionadas

EDP Renováveis prepara-se para investir 780 milhões para produzir hidrogénio verde na Galiza (com áudio)

A companhia juntou-se à Reganosa para criar um centro de energia verde na região norte da comunidade da Galiza, que inclui a produção de hidrogénio verde, alimentado por energia eólica. A companhia também vai criar um sistema de armazenamento através de uma central hidroelétrica com bombagem.

Projeto-piloto de hidrogénio verde de Sines espera ‘luz verde’ final de Bruxelas até agosto (com áudio)

Parceiro do H2 Sines aponta que o consórcio e a Comissão Europeia estão agora a negociar as condições de financiamento para o projeto, esperando que até agosto seja dada a autorização final para entrar em operação em 2022.

Portugal e Banco Europeu de Investimento estabelecem parceria para “acelerar investimentos” no hidrogénio verde

“Acreditamos que o hidrogénio será essencial na promoção de uma recuperação económica verde, no contexto da pandemia de Covid-19, pois permitirá reduzir as emissões que mais danos ambientais causam”, disse hoje Ricardo Mourinho Félix.
Recomendadas

Portugal entre os 15 melhores países em sistemas energéticos, segurança, equidade e sustentabilidade

Suécia, Suíça e Dinamarca mantêm os três primeiros lugares em relação ao ano anterior, respetivamente. No restante top 20, apenas figuram cinco países de outros continentes que não o europeu: Canadá, Nova Zelândia, Estados Unidos, Uruguai e Japão.

Alemanha precisa de mais 860 mil milhões de euros para alcançar metas climáticas

O dinheiro irá servir para reduzir as emissões de gases de efeito estufa até 65% até 2030, comparativamente aos níveis de 1990 para que, até 2045, a Alemanha consiga tornar-se neutra em carbono.

Plano de descarbonização do Reino Unido vai atrair 90 mil milhões em investimento e criar 440 mil empregos

Apesar da boa nova, para os especialistas e ativistas as propostas continuam longe de ser suficientes para fazer frente às necessidades climáticas urgentes e a por um fim nos combustíveis fósseis.
Comentários