Toshiba retira-se oficialmente do negócio dos portáteis

A Toshiba já tinha vendido 80,1% do seu negócio de PCs à Sharp, ficando com uma participação na nova marca criada, a Dynabook, mas agora entregou o resto das ações da empresa.

Reuters

Ao fim de 35 de atividade no setor, a empresa japonesa anunciou, esta segunda-feira, que vai deixar de produzir e fabricar portáteis.

De acordo com um comunicado emitido pela empresa, esta tarde, a Toshiba vendeu as restantes 19,9% das acções da subsidiária Dynabook (responsável por fabricar os portáveis da marca) à empresa Sharp. Em 2018, a tecnológica japonesa já tinha vendido cerca de 80% do negócio aquela empresa por cerca de 36 milhões de dólares.

“Como um resultado da transferência [mais recente] a Dynabook passa a ser uma subsidiária detida, completamente, pela Sharp”, explica a tecnológica.

Muito se especula sobre o que terá contribuído para o declínio da Toshiba neste mercado mas, com o crescimento de marcas como a Apple, a Dell e a Lenovo, acredita-se que a empresa japonesa simplesmente não tenha conseguido competir com as rivais.

Segundo a Agência Reuters, o pico de vendas terá sido atingido em 2011, com 17,7 milhões de PCs colocados no mercado, mas em 2017 o volume já tinha descido para cerca de 1,4 milhões.

Agora fora do mundo da computação, a marca continua a ser conhecida pela gama de electrodomésticos que incluem frigoríficos, microondas e máquinas de lavar e secar.

Ler mais
Recomendadas

Tecnoplano vai fiscalizar obra de expansão do Metro de Lisboa

Às empreitadas já adjudicadas acrescerá a fiscalização dos subsequentes contratos por adjudicar de acabamentos e equipamentos das estações túneis, poços de ventilação e viadutos, asseguram os responsáveis da empresa.

Empregos no motor de pesquisa e mais programadores. Como é o acordo entre o Governo e a Google

O memorando de entendimento assinado esta terça-feira prevê ainda a expansão do Atelier Digital, na qual os portugueses são formados sobre websites ou estratégias de negócio online, e uma ferramenta para ajudar as empresas a implementar inteligência artificial.

TAP está a estudar a venda de até oito aviões Airbus

Esta medida pode-se juntar ao adiamento da entrega de 15 aviões pela Airbus, que vai permitir à TAP adiar um investimento de mil milhões de dólares.
Comentários