Toys “R” US: chegou a faturar 11 mil milhões por ano mas vai fechar 800 lojas nos EUA

Na Europa, a Toys “R” Us opera em dez países, incluindo Portugal, Espanha, França e Alemanha. Em Portugal, a empresa fez saber, ainda em fevereiro, que as lojas nacionais continuam “o normal funcionamento”.

A multinacional norte-americana Toys “R” Us, dona de uma cadeia mundial de lojas de brinquedos, prepara-se para a liquidação se não conseguir acordar a reestruturação da dívida com os credores. A entrada de um investidor na empresa é vista como a última hipótese de sobrevivência.

Em setembro de 2017, a empresa declarou falência e, embora tenha conseguido um crédito de 3,1 mil milhões de dólares para relançar a marca, a fraca campanha em dezembro colocou o grupo no “vermelho” novamente.

A crise no retalho norte-americano não para de se acentuar e a Toys “R” Us, que já chegou a faturar 11 mil milhões de dólares por ano, não consegue escapar ao efeito dominó.

Depois de declarar falência, a empresa esperava conseguir um balão de oxigénio com o empréstimo e, consequentemente, com a renegociação da dívida com os credores, devido ao valor elevadíssimo da mesma. Apesar de que o grande objetivo é o de encontrar um novo novo investidor, capaz de estabilizar as finanças da empresa.

Mas nem uma coisa nem a outra. De acordo com a Bloomberg, a Toys “R” Us já definiu o encerramento de mais de 800 lojas nos Estados Unidos.

A lei norte-americana sobre a falência prevê que as empresas com problemas financeiros encontrem opções viáveis para recuperar economicamente, mas os maus resultados da campanha de Natal da Toy “R” Us revelaram a inviabilidade da empresa. Em janeiro, a empresa admitiu vir a encerrar mais 180 lojas para minimizar prejuízos.

A situação também se deteriorou em algumas filiais fora dos EUA, que não faziam parte do estado de falência inicial. A Toys “R” Us tem 64 mil funcionários em todo o mundo.

No Reino Unido, a Toys “R” Us também está falida e, tal como a filial asiática, o ramo mais lucrativo da multinacional, procura um investidor. No Reino Unido, esta situação coloca em risco 3 mil postos de trabalho, segundo o britânico “The Guardian“.

Na Europa, a Toys “R” Us opera em dez países, incluindo Portugal, Espanha, França e Alemanha.

Portugal, Espanha e França  mantém-se o “normal funcionamento de todas as lojas”,  disse a marca em comunicado a 28 de fevereiro. “Estamos empenhados em garantir a continuidade desta grande marca por muitas gerações”, disse o diretor-geral para França e Península Ibérica, Jean Charretteur, no mesmo comunicado.

A falência da Toys “R” é a segunda maior no setor do retalho especializado nos EUA. Em 2002, a Kmart, que detinha 14,6 mil milhões de dólares em ativos, abriu falência.

A confirmar-se a liquidação do gigante na venda de brinquedos, será um “golpe” preocupante no setor, uma vez que a cadeia representa aproximadamente 15% do volume de negócios de todo o setor nos EUA. A companhia estava lançando números vermelhos desde 2013, apesar de, em 2016, ter registado 460 milhões de lucros operacionais.

Ler mais

Recomendadas

PremiumOrçamento de longo prazo da União Europeia continua num impasse

Líderes europeus discutem em Bruxelas a dotação de verbas do próximo quadro plurianual, mas ‘Amigos da Coesão’ e ‘contribuintes líquidos’ só concordam em discordar da proposta apresentada por Charles Michel.

Covid-19: Economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre, diz diretora do FMI

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.
Comentários