Toys “R” Us: nascimento e crise da gigante mundial de brinquedos

Empresa foi criada em 1948 por Charles Lazarus, na sequência do baby boom que se seguiu à Segunda Guerra Mundial. Atualmente, vive os dias mais conturbados da sua história.

A Toys “R” Us nasce em 1948, em Washington, quando Charles Lazarus, com apenas 25 anos de idade, decide fazer de um sonho de infância uma realidade: transformar o pequeno estabelecimento de bicicletas do seu pai numa loja de mobiliário de bebé com o nome Children’s Bargain Town.

Ao fim de alguns meses, a procura dos clientes aumentou e o fundador decidiu começar a vender brinquedos para crianças mais velhas – de livros a triciclos. O negócio cresceu. Com a abertura da sua segunda loja, Charles batizou a empresa com o nome oficial de Toys “R” Us. Começa assim um modelo de negócio dedicado totalmente às crianças, na época do ‘baby boom’ vivida pelos Estados Unidos, após a II Guerra Mundial.

Nos anos 80, a empresa inicia a sua expansão internacional com a abertura de lojas em Singapura e no Canadá. Os anos 90 ficaram marcados pela abertura da Babies “R” Us, a principal cadeia do mundo especializada em bebés e dedicada exclusivamente a produtos de puericultura, com mais de 214 estabelecimentos nos Estados Unidos e 16 no Japão.

Em 2005, um consórcio de investimento, formado pelas empresas líderes nos seus respetivos setores a Bain Capital Partners LLC, a Kohlberg Kravis Roberts & Co. (KKR) e a Vornado Realty Trust (NYSE:VNO), adquiriu a totalidade das acções da empresa. Em 2013, o consórcio desistiu de regressar ao mercado, mantendo-se o alto endividamento da firma, o que limitou a sua capacidade de investir em planos de crescimento. A empresa consolidou ainda a presença no Brunei, Hong Kong, China, Malásia, Singapura, Taiwan e Tailândia.

Sete décadas depois de ter nascido pelas mãos do jovem Lazarus, a Toys “R” Us anunciou hoje que estuda a sua viabilidade em Espanha e em Portugal, após ter anunciado o encerramento das lojas nos EUA e no Reino Unido. Nos Estados Unidos, segundo o The Wall Street Journal, serão encerradas ou vendidas todas as 881 lojas, afetando 33 mil trabalhadores da empresa. Recorde-se que no ano passado, a Toys “R” Us apresentou um pedido de proteção de falência no Tribunal de Falências do Distrito Leste da Virgínia, nos Estados Unidos.

Relacionadas

Toys “R” Us: Lojas dos EUA e Reino Unido já caíram. E Portugal?

“Para o negócio internacional da empresa na Austrália, França, Polónia, Portugal e Espanha, estão a ser consideradas opções que incluem a eventual venda de cada um desses mercados”, esclarece a Toys “R” Us.

Depois dos EUA, chega a vez do Reino Unido: Toys ‘R’ Us vai despedir 3 mil trabalhadores

Decisão foi tomada após a impossibilidade em encontrar um comprador antes da data limite. Vão fechar todas as lojas no Reino Unido.

Toys “R” US: chegou a faturar 11 mil milhões por ano mas vai fechar 800 lojas nos EUA

Na Europa, a Toys “R” Us opera em dez países, incluindo Portugal, Espanha, França e Alemanha. Em Portugal, a empresa fez saber, ainda em fevereiro, que as lojas nacionais continuam “o normal funcionamento”.

Falência da Toys R Us no Reino Unido põe em perigo 3 mil empregos

Lojas vão permanecer abertas até novo aviso e as mercadorias estarão sujeitas a liquidação e promoções especiais.
Recomendadas

Epson Europa vê Portugal como “mercado totalmente estratégico”

Raúl Sanahuja, responsável de Relações Públicas e Comunicação da Epson, considera que as empresas portuguesas são mais “ousadas” e “lançadas” na integração de tecnologia de impressão.

“Problemas no setor de aviação convertem-se em oportunidades”, considera CEO da EuroAtlantic

Quais os grandes desafios que o setor da aviação vai ter que ultrapassar? Eugénio Fernandes, CEO da EuroAtlantic, esclarece que a empresa funciona em contraciclo com o mercado e que os problemas no setor convertem-se em oportunidades. Quanto aos problemas, este responsável aponta a falta de pessoal como questão a ultrapassar.

PremiumPartner da Peugeot lidera vendas nacionais da marca

Jean-Philippe Imparato explicou ao Jornal Económico a evolução global da marca no ano passado, com uma quebra de 8,8% registada nas suas vendas mundiais (excluído o mercado do Irão).
Comentários