Toys”R”Us Ibéria quer abrir 25 lojas nos próximos cinco anos

A Toys”R”Us Ibéria escapou ao efeito de contágio da falência da marca nos EUA. Detida por investidores portugueses a estratégia passa pela revitalização da marca, abertura de novas lojas e uma forte aposta no ‘e-commerce’.

Quando uma das marcas mais famosas de brinquedos, a Toys “R” Us, entrou em falência nos Estados Unidos, muitos jovens lamentaram nas redes sociais o fim das lojas que tinham marcaram a sua infância. Em Portugal e Espanha a situação foi diferente. Este ano foi efectuado um processo de compra da Toys”R”Us Ibéria  por parte da sociedade de investimento Green Swan, em 60% e em 40% por parte da antiga equipa de direção.

Paulo Sousa Marques, que se manteve à frente da atual equipa de gestão, assumiu o cargo de CEO ibérico. “Na Península Ibérica  é uma empresa saudável, não deve um tostão a ninguém e tem um ativo imobiliário importante. Em 27 anos de existência nunca teve uma dívida vencida. O efeito contágio, dos Estados Unidos, é sempre uma chatice mas se tivessemos medo disso não tinhamos comprado. “, diz ao Jornal Económico.

Atualmente, e depois da aquisição, conta com um património líquido de 112 milhões de euros. Existem 10 lojas em Portugal e 51 em Espanha. A aquisição teve como objetivo revitalizar a marca por via de um novo modelo de gestão garantindo uma série de mudanças em loja – revitalização dos espaços e novidades como o centro de experiências, garantindo a continuidade da marca, bem como a abertura de 25 lojas de proximidade nos próximos cinco anos, em cidades mais pequenas ou em centros urbanos. Muitas das novas lojas serão lançadas, pela primeira vez, segundo a fórmula do franchising. “Na nossa filosofia as crianças podem brincar com o quiserem dentro da loja. Temos produtos fora de caixa e queremos ser vistos como a empresa mais inovadora dentro deste setor de atividade.  Vamos investir na criação de novos produtos e estimular ‘startups’’ inovadoras na área do brinquedo”, acrescenta Paulo Sousa Marques.

Os espaços da marca passaram a ser sobretudo centros de experiências, onde as crianças e pais podem ver, tocar e brincar. Para isso, a Toys”R”Us e a sua marca de bebés, Babies”R”Us, reforçaram as suas atividades, incorporando novos serviços e redefinindo os seus espaços para que as crianças possam interagir. Para chegar a um público mais especializado – adolescentes, pais e colecionadores – há também uma zona Friki, um espaço destinado aos Kidults, que disponibiliza produtos das séries e filmes mais seguidos. A empresa vai ainda abrir novas áreas de leitura, organizadas por idade, com uma mais ampla e atual oferta.

‘Aposta no ‘e-commerce

As vendas na internet são também uma aposta de futuro. “De facto, registou-se uma mudança do cliente. O online tem estabilizado nos 30% em outros países da Europa, mas em Portugal ainda há espaço para crescer. Na Toys “R” Us estamos muito fraquinhos, com 5 ou 6%, e queremos chegar muito rapidamente aos 20%”.

A empresa vai alterar todo o ‘software’ para o ‘online’ e isso acontecerá no primeiro semestre do próximo ano. “Vai ser um ‘software’ que permite a utilização em dispositivos móveis e, por isso, o investimento já passa os dois milhões de euros. Para sermos mais eficientes e competititivos do que somos hoje”, sublinha o responsável.

No entanto, as lojas físicas continuarão a ser fundamentais para o êxito do negócio. “Após a aquisição da Toys”R”Us Ibéria, a empresa ganhou uma nova vida, cheia de novidades. As lojas Toys”R”Us serão cada vez mais um espaço para os clientes desfrutarem de momentos de alegria e emoção e onde podem encontrar vários serviços. Não apenas em família, mas todos, desde as crianças aos adultos, com espaços e ofertas específicas para os diferentes públicos”.

Com o Natal à porta, uma boa fatia da faturação vem desta época. “Vamos demonstrar que a magia do brincar é importante para todos e todos os dias”, afirma o CEO. Pela primeira vez, e com o objetivo de criar proximidade com o cliente, a empresa vai ter este serviço disponível na noite de 24 de dezembro, entre as 21h00 e as 02h00 do dia seguinte, em todas as lojas do país, mediante inscrição.

Artigo originalmente publicado na edição impressa de 21 de dezembro de 2018

Ler mais
Recomendadas

Navigator nomeia dois novos administradores executivos

João Paulo Cabete Lé e Adriano Agusto Silveira são os novos administradores executivos no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Jorge Calvete é o administrador judicial da Orey Antunes que pediu um PER

O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019. Os prazos são contínuos, não se suspendendo durante as férias judiciais.

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.
Comentários