Trabalhadores da Reditus em greve por falta de pagamento dos salários

Arménio Carlos junta-se ao protesto da Reditus. “Os trabalhadores estarão em greve neste dia como forma de protesto contra a administração da empresa que assumiu que iria regularizar os valores em falta aos trabalhadores, e voltou a não cumprir”, diz o comunicado da CGTP-IN.

Os trabalhadores da Reditus marcaram uma concentração para amanhã dia 30 de Maio, pelas 9:30 horas, à porta da empresa, em Lisboa, na Quinta do Lambert. O protesto deve-se aos atrasos “sucessivos” no pagamento aos trabalhadores e Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP-IN estará na concentração dos trabalhadores da Reditus, à porta da empresa.

“Os trabalhadores estarão em greve neste dia como forma de protesto contra a administração da empresa que assumiu que iria regularizar os valores em falta aos trabalhadores, e voltou a não cumprir”, diz o comunicado da CGTP-IN.

“Tendo as estruturas sindicais obtido informações dos diversos clientes, a quem a Reditus presta serviços em diferentes áreas (comunicações, serviços e banca), afirmam que não existem dividas pendentes à empresa”, afirma o sindicato liderado por Arménio Carlos.

Em comunicado divulgado pela Lusa, o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) diz que a administração da empresa assumiu que iria regularizar os valores em falta e “voltou a não cumprir”. “Perante esta postura prepotente, arrogante e desrespeitosa, não nos resta alternativa que não seja marcar uma greve de 24 horas para dia 30 de maio como forma de protesto”, lê-se no comunicado divulgado pela Lusa.

No início do mês, o sindicato desconvocou uma greve de 24 horas, depois de o Grupo Reditus ter pago na totalidade três meses de salários e subsídios de refeição em dívida. Fonte oficial da empresa sublinhou à Lusa ontem que “a Reditus tem mantido, desde sempre, uma postura de abertura e de diálogo permanente e proativo com os seus colaboradores, cumprindo o que com eles acorda”. “A Reditus tem mantido um contacto permanente com as diversas estruturas sindicais, de modo a encontrar sempre as soluções que melhor salvaguardem o interesse de todos”, acrescentou a mesma fonte.

A Reditus apresentou um resultado líquido negativo em 2017 das operações em continuação de 1,6 milhões de euros, melhorando cerca de 1,1 milhões de euros face ao resultado negativo de 2,7 milhões de euros em 2016. Segundo o comunicado à CMVM, o indicador EBITDA da Reditus atingiu em 2017 cerca de 4,9 milhões de euros, face aos 2,8 milhões de euros no período homólogo anterior, equivalente a uma margem EBITDA de 11,6%, 5,4 pontos percentuais acima da margem de 6,1% de 2016. “No entanto, o resultado líquido apresenta-se negativo em 1,6 milhões de euros, apesar de ter registado uma variação positiva de 1,3 milhões face ao período homólogo”, explica o comunicado.

A empresa detida por Miguel Pais do Amaral em 24,7%, pelo BCP com 16,51%, pela família Moreira Rato em 10,12%, entre outros, é gerida por Francisco Santana Ramos; José Gatta; Fernando da Fonseca Santos (que é também acionista com 5,34%) e Helder Matos Pereira.
 

Ler mais
Recomendadas

Autoeuropa investe 103 milhões na modernização da fábrica de Palmela em 2020

“Investir na fábrica é investir nas nossas pessoas, na nossa região e no nosso país. Com a nova linha de corte nas prensas e a automatização do armazém de logística interna aceleramos o futuro”, refere a empresa do grupo Volkswagen.

Observatório de turismo do Algarve vai integrar rede mundial da OMT

O reconhecimento do observatório regional pela OMT acontecerá dia 23, na próxima quinta-feira, durante a FITUR, a feira de turismo de Madrid à qual o Algarve regressa este ano e onde se promoverá de 22 a 26 de janeiro.

Banco de Portugal adopta ‘energia verde’ nos seus edifícios

“A transição para a nova forma de consumo de energia deverá estar concluída ainda durante o primeiro trimestre deste ano. Com esta medida, o Banco tem como objetivo reduzir a sua pegada de carbono”, explica a instituição
Comentários