Trabalhadores dos casinos do Estoril, de Lisboa e da Póvoa de Varzim em lay-off

“A aplicação da medida de lay-off simplicado resultou na suspensão temporária dos contratos de trabalho ou na redução dos tempos de trabalho da grande maioria dos trabalhadores” destes três casinos detidos pelo grupo Estoril Sol.

Os trabalhadores dos casinos do Estoril, de Lisboa e da Póvoa de Varzim vão ser colocados em regime de layoff simplificado, anunciou hoje o grupo Estoril Sol.

“Neste contexto de paragem de atividade dos casinos físicos, incerteza quanto à evolução da pandemia, sua duração e impacto nas perspetivas económicas dos negócios de base territorial do Grupo Estoril Sol, as subsidiárias Estoril-Sol III e Varzim-Sol decidiram recorrer à medida de “Lay-off simplificado”, segundo o comunicado divulgado hoje pela empresa que detém estes três casinos.

“A aplicação da medida de “Lay-off simplicado” resultou na suspensão temporária dos contratos de trabalho ou na redução dos tempos de trabalho da grande maioria dos trabalhadores da Estoril-Sol III e dos trabalhadores da Varzim-Sol”, de acordo com a Estoril Sol, que não diz quantos trabalhadores são abrangidos por esta medida.

Apesar da suspensão da atividade dos casinos físicos, vão se manter em atividade as operações online do grupo Estoril Sol. “Em face da evolução atual da pandemia e das medidas restritivas associadas ao estado de emergência, assim como à rápida deterioração generalizada das condições económicas que se têm verificado, numa escala global, manter-se-á a suspensão da atividade dos casinos físicos do Grupo Estoril Sol, mantendo-se em atividade as operações online do Grupo, nomeadamente as licenças de jogos de fortuna ou azar e de apostas desportivas propriedade da Estoril Sol Digital, Online Gaming Products and Services S.A (Esc online)”.

Os casinos estão encerrados desde o dia 14 de março, depois do despacho da secretária de Estado do Turismo, e depois da declaração do Estado de Emergência e a sua renovação.

Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários