Tranquilidade: nova imagem da marca vai custar 6 milhões de euros

A Tranquilidade lança esta terça-feira a nova imagem corporativa, ficando a marca Tranquilidade no mercado de Portugal Continental e da Madeira e a marca Açoreana nos Açores, aproveitando que aquela que era a seguradora do Banif tem uma imagem forte nesta região autónoma.

Cristina Bernardo

A seguradora Tranquilidade espera aumentar o volume de negócios em 5%, aproveitando a nova imagem da marca que será lançada esta semana, num investimento de seis milhões de euros, disseram responsáveis da seguradora à Lusa.

“Queremos crescer 5% em prémios de seguro”, disse o diretor de marketing, Emmanuel Lesueur, à Lusa, referindo que em 2017 o valor ascendeu a mais de 700 milhões de euros.

Segundo o mesmo responsável, o investimento na mudança da marca é de seis milhões de euros e a Tranquilidade quer crescer, sobretudo, em seguros de risco de vida e em seguros de saúde.

A Tranquilidade lança esta terça-feira a nova imagem corporativa, ficando a marca Tranquilidade no mercado de Portugal Continental e da Madeira e a marca Açoreana nos Açores, aproveitando que aquela que era a seguradora do Banif tem uma imagem forte nesta região autónoma.

O verde mantém-se a cor dominante da seguradora, agora com 13 tonalidades diferentes.

Já segundo o administrador José Nogueira, a nova imagem – objeto de estudo ao longo de 18 meses – visa transmitir a ideia de uma seguradora “mais simples, mais próxima” dos clientes, desde logo usando as novas tecnologias.

A mudança inclui a renovação do ‘site’ da Tranquilidade e o lançamento de uma aplicação móvel (‘app’) em que os clientes têm a sua informação integrada, podem consultar os seguros que têm, contactar o mediador, fazer pagamentos ou reportar avarias.

No caso de um cliente com seguro de acidentes de automóvel, será possível preencher na ‘app’ diretamente a declaração amigável.

A seguradora está também a lançar um seguro para riscos cibernéticos, direcionado para empresas que queiram prevenir os ricos associados à segurança informática.

A seguradora Tranquilidade pertencia ao Grupo Espírito Santo (GES) e passou na resolução do Banco Espírito Santo (BES) para o Novo Banco – a instituição de transição resultante da resolução do BES -, tendo sido comprada pela norte-americana Apollo em 2015. Já em 2016 ficou com a Açoreana, seguradora do Banif antes da resolução deste.

Atualmente, o grupo denomina-se Seguradoras Unidas.

A Tranquilidade (que inclui a Açoreana) é a segunda maior seguradora em seguros não vida, com uma quota de mercado de cerca de 15%.

A seguradora tem 1,4 milhões de clientes (entre particulares e empresas) e trabalha com uma rede de distribuição de mais de 2.500 pontos de venda – 80 corretores, 2.100 agentes multimarca e 400 agentes exclusivos -, segundo informação divulgada.

O grupo Seguradoras Unidas começou em 2017 um “programa de redimensionamento” da estrutura, com saída de trabalhadores por acordo, que disse esperar ter concluído no final de 2018.

Atualmente tem 1.150 trabalhadores, segundo informação divulgada.

De acordo com a imprensa, a Tranquilidade é um dos candidatos a comprar a GNB vida, a seguradora do Novo Banco (ex-BES Vida).

Ler mais
Recomendadas

António Simões sai do banco britânico HSBC depois de quebra nos lucros de 53%

O gestor português que liderava a banca privada chegou a ser apontado à liderança do HSBC, mas acabou por sair no âmbito da reestruturação que provocou o despedimento de 35 mil pessoas.

Julius Baer envolvido em casos de corrupção com a PVDSA e FIFA

“Os procedimentos, agora concluídos, descobriram que o Julius Baer incumpriu com as obrigações relativas ao combate ao branqueamento de capitais e com o seu dever de pôr em prática políticas de gestão de risco apropriadas, o que constitui uma infração grave da lei dos mercados financeiros”, frisou, o supervisor financeiro suíço, a FINMA

Banco central chinês reduz taxa de juros para aliviar impacto económico do surto

Os credores chineses reduziram esta quinta-feira a taxa de juros base em 0,1 ponto percentual, numa altura em que o país enfrenta o surto do coronavírus Covid-19, que levou ao encerramento de vários negócios.
Comentários