Transformação digital, a alavanca para o futuro

A utilização de soluções tecnológicas disruptivas, ao serviço de uma boa gestão, tem uma importância tremenda. A transformação digital, mais que uma tendência, é uma garantia de sobrevivência.

O clima de incerteza que vivemos devido à pandemia de covid-19 impôs às organizações uma clara aposta no digital. É imperativo que as organizações tenham hoje uma estratégia digital que as mantenha próximas dos clientes e dos fornecedores, que permita reduzir custos, prever as vendas e agilizar e otimizar todos os processos para que continuem produtivas, rentáveis e eficientes.

A transformação digital representa uma profunda mudança de processos e modelos de operação para as organizações, e é aqui que a utilização de soluções tecnológicas disruptivas, ao serviço de uma boa gestão, entra em ação e assume uma tremenda importância.

Já antes da crise sanitária que todos estamos a viver, a IDC previa que, até 2024, mais de 50% de todo o investimento em TI seria diretamente orientado para a inovação e transformação digital, crescendo a uma TCAC de 17%. As tecnologias digitais como o Data Analytics, Machine Learning, Inteligência Artificial e o Big Data são algumas das soluções que fazem parte desta realidade.

Segundo um estudo da Harvard Business Review Analytics Services, 68% das empresas líderes digitais melhoraram a rentabilidade do negócio. E é justamente nas alturas de maior incerteza que as empresas necessitam de informações confiáveis que apoiem tomadas de decisão conscientes e eficientes. Não são permitidos erros, nem decisões baseadas em intuições.

Aceitar que o investimento na transformação digital é essencial para a sobrevivência do negócio, que o colocará à frente da concorrência e lhe permitirá ter vantagens competitivas, é fundamental num cenário económico pautado pela incerteza.

A adoção de soluções de Data Analytics e Inteligência Artificial permite que as organizações se tornem data-driven, nas quais os dados são fundamentais para o processo de tomada de decisões da empresa, permitindo uma resposta com maior precisão e velocidade, e uma maior agilidade nos seus processos. Na prática, falamos de como uma boa capacidade de gestão, bem definida e fundamentada, serve de ponto de partida para dar resposta aos desafios de negócio, permitindo criar condições para nos destacarmos da concorrência e alcançarmos melhores resultados.

Com estas soluções é possível que os gestores consigam ter uma visão a 360 graus da organização, que lhes permite agir rapidamente perante qualquer oportunidade, desafio ou risco. Assim, olhar para a infinidade de dados hoje produzidos, com recurso a ferramentas disruptivas, é determinante para o sucesso da empresa, pois traz maior eficiência, produtividade e dinamismo, para além de acrescentar transparência e fiabilidade na tomada de decisão.

A transformação digital é também muito relevante para o relacionamento com o cliente e no impacto do serviço que lhe irá prestar. É necessário conhecer quais as necessidades e as tendências do cliente e dar respostas rápidas e personalizadas, enquanto se proporcionam experiências envolventes, pois o cliente é hoje em dia muito informado e procura ter a melhor experiência de compra possível.

A transformação digital apresenta-se assim como uma oportunidade única para que as empresas otimizem os seus processos, reduzam custos, aumentem as receitas e, principalmente, se mantenham competitivas no mercado onde atuam. As organizações devem continuar a apostar numa estratégia de transformação digital, com foco em soluções objetivas e sustentáveis, porém inteligentes e preditivas.

A transformação digital não é uma tendência, é sim uma garantia de sobrevivência num mercado global que apresenta novos desafios e tem necessariamente de fazer parte da agenda dos decisores. É tempo de as empresas alinharem as suas estratégias, criarem vantagens competitivas e olharem para as soluções tecnológicas como uma alavanca para os seus negócios.

Recomendadas

Movimento nos aeroportos portugueses sobe 2,3% até setembro para 15,2 milhões de passageiros

O número de passageiros que passou pelos aeroportos portugueses aumentou, em termos homólogos, em 2,3%, para 15,2 milhões até setembro, adiantou em comunicado a Vinci, que detém a ANA – Aeroportos de Portugal.

Matos Fernandes descarta medidas adicionais para atenuar subida dos preços da energia

O Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, disse esta sexta-feira que “não vai haver necessidade” de falar de medidas adicionais para atenuar a subida dos preços da eletricidade “nos meses mais próximos”.

Galp: “Evento na Unidade de Destilação Atmosférica de Sines” não teve impacto no abastecimento do mercado português

“Seguindo os protocolos de segurança, a Empresa parou a operação da DAT que, após o seu arranque, é esperado que opere com taxas de utilização mais reduzidas durante algumas semanas”, anuncia a Galp.
Comentários