“Transmite imagem de instabilidade ao estrangeiro”. Empresas criticam proposta do PS para os vistos gold

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, CCP, e a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, CPCI, consideram que a proposta do Partido Socialista “não tem em ponderação os interesses económicos das empresas que operam a montante e a jusante do setor imobiliário nacional”.

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) e a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) mostram-se contra a proposta do Partido Socialista (PS) que visa colocar um ponto final na concessão dos ‘Vistos Gold’ nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto. Em comunicado conjunto emitido esta sexta-feira, 31 de janeiro, as duas entidades referem que “esta potencial alteração transmite aos investidores estrangeiros uma imagem de instabilidade e insegurança”.

No mesmo documento, as duas confederações assumem que esta proposta do PS “põe em causa o nome de Portugal enquanto destino recetor de investimento, e que será decerto prejudicial para o objetivo de descentralizar o investimento para o interior do país”, acrescentando que o Partido Socialista não está a ter “em ponderação os interesses económicos das empresas que operam a montante e a jusante do setor imobiliário nacional”.

Para a CCP e CPCI as consequências desta proposta “não estarão a ser devidamente avaliadas, tendo em conta o contexto do investimento imobiliário internacional do qual Portugal faz parte há pouco tempo”.

As duas entidades são de opinião de que deverá ser feito um “reajuste do programa em vigor, que passe pela alteração do valor mínimo de investimento em imobiliário para obtenção de visto de residência, e tendo em conta os municípios onde haja uma maior pressão imobiliária, ao invés do cancelamento alargado às áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.

Recomendadas

Tecnológicas bateram estimativas no 3º trimestre

Apesar da perda de utilizadores nos EUA por parte do Facebook e da queda de 20% na venda de iPhones por parte da Apple, terceiro trimestre foi positivo para os gigantes tecnológicos.

Alphabet com lucros de 11,25 mil milhões de dólares num terceiro trimestre em que receitas voltaram a crescer

Vindos do primeiro trimestre com uma diminuição de receitas na história da companhia, a empresa-mãe da Google volta agora em força, em parte empurrada pelas verbas associadas à publicidade.

Facebook aumenta lucro no terceiro trimestre impulsionado pela publicidade

A rede social também revela que conseguiu diminuir para metade as despesas relacionadas com “geral e administração”, em grande parte devido ao encerramento de escritórios um pouco por todo o mundo, acompanhando a tendência do teletrabalho.
Comentários