Transportes ferroviários e alfândegas são os principais obstáculos ao desenvolvimento do sector logístico em Portugal

“Relativamente à utilização dos diferentes modos de transporte, continua a verificar-se uma forte dependência do transporte rodoviário, com impactos negativos ao nível da sustentabilidade ambiental”, destaca, em exclusivo ao Jornal Económico, Raul de Magalhães, presidente da Aplog, referindo-se a um das conclusões do estudo feito em parceria com a consultora KPMG.

A Aplog – Associação Portuguesa de Logística apresentou esta terça-feira, em formato digital, as conclusões do estudo ‘A Logística em Portugal – Inovação, Tendências e Desafios do Futuro”, encomendado à consultora KPMG.

O evento contou, entre outros, com a presença de Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Energética; e de António Costa e Silva, autor do PRR – Plano de Recuperação e Resiliência.

Em exclusivo ao Jornal Económico, Raul de Magalhães, presidente da Aplog, revela as principais conclusões desse estudo, com destaque para a necessidade de uma aposta crescente na digitalização e para o alerta para dois constrangimentos que retardam o desenvolvimento do sector no nosso país: a fraqueza do sector ferroviário nacional e a burocracia das alfândegas.

Quais são as principais conclusões do estudo sobre o sector da logística em Portugal que a Aplog efetuou em parceria com a KPMG?
Tratou-se de uma relação de parceria e trabalho conjunto, que abrangeu igualmente as empresas e associações que deram um significativo contributo para o enriquecimento deste estudo, bem como o apoio de alunos de mestrado do ISCTE.

O sector está pujante e dinâmico, de forma heterogénea nos seus vários segmentos, tendo no entanto, pela frente fortes desafios de transformação para corresponder à ambição que os planos económicos do país e as suas necessidades e prioridades lhe impõem.

As empresas clientes de serviços logísticos, englobadas neste estudo, identificaram um conjunto de desafios associados à gestão e reconfiguração das suas cadeias logísticas, que de uma forma geral, se alinham com as principais tendências globais desta área, nomeadamente, a intensificação da volatilidade e incerteza na procura, o efeito da omnicanalidade e da digitalização, e a premência na sustentabilidade das operações, tendo identificado alguns aspetos críticos associados aos constrangimentos do contexto português e às limitações da oferta de serviços logísticos em Portugal.

Do ponto de vista da oferta de serviços logísticos em Portugal, esta tem vindo a evoluir e a adaptar-se ao contexto da internacionalização e globalização da economia nacional e aos novos requisitos e padrões da procura, de empresas e consumidores, continuando, no entanto, a verificar-se alguns constrangimentos estruturais, quer ao nível das infraestruturas logísticas do País, quer ao nível da maturidade e competitividade das empresas, fornecedoras deste tipo de serviços. Por exemplo, relativamente à utilização dos diferentes modos de transporte, continua a verificar-se uma forte dependência do transporte rodoviário, com impactos negativos ao nível da sustentabilidade ambiental.

Quais são as principais tendências e desafios do sector no nosso país, identificados por esse estudo?
Alguns dos principais temas que estarão na agenda dos próximos anos, podem ser de alguma forma sistematizados em três perspetivas: evolução da procura, estruturação da oferta e alterações no contexto regulatório, competitivo, tecnológico, social e de infraestruturas.

Do ponto de vista da evolução da procura, vivemos a ‘Era do Consumidor’, e a centricidade e experiência do cliente passou a estar presente na formulação da estratégia da generalidade das empresas. Isto significa saber lidar com a volatilidade e a incerteza, tendo como consequências a necessidade do fortalecimento das capacidades de planeamento da procura e da cadeia logística, com ciclos muito mais curtos e incorporando de forma inteligente o conhecimento ganho nas interações com o cliente nos múltiplos pontos de contacto.

A agilidade e a velocidade de resposta são igualmente fatores chave para enquadrar os cenários de maior imprevisibilidade, com impactos na extensão ‘end-to-end’ das cadeias, na redefinição das estratégias de ‘sourcing’ e na crescente valorização do ‘near shore’ e da velocidade Vs. custo.

Reconhecimento que modelos ‘one-size-fits-all’ muito dificilmente serão eficientes e eficazes para lidar com os múltiplos segmentos de clientes, apontando para a criação de micro ‘supply chains’.

As exigências da omicanalidade vieram para ficar, mas também outros aspetos têm de ser acautelados, como por exemplo as disrupções no conceito de posse: ‘capacity as-a-service’ e ‘platform sharing economy’, a crescente pressão para o aumento da agilidade da ‘supply chain’ e o desafio na gestão dos recursos: a economia circular.

Do ponto de vista da oferta, a necessidade de incorporar as transformações a jusante, impelidas pela procura, e a montante, consequência da forma como a oferta se está a estruturar, o próprio contexto de atuação das cadeias logísticas está em forte transformação. Aspetos regulatórios, com particular destaque para a descarbonização da economia, alterações tecnológicas que criam novas capacidades internas e um novo nível de conetividade externo, múltiplas fontes de risco para as quais é necessário criar resiliência, novos modelos de negócio que conflituam com o ‘status quo’, atração e retenção do talento digital, são alguns dos pontos que estão a induzir esta mudança de contexto de operação.

Segundo esse estudo, de que forma é que o sector logístico nacional compara com os seus congéneres e como se enquadra nas redes logísticas globais?
No LPI (‘Logistics Performance Index’), verifica-se uma evolução positiva da ‘performance’ da logística nacional em quase todas as vertentes, entre 2014 e 2018, com destaque para as dimensões ‘International Shipment’ e ‘Timeliness’.

Comparando com a Alemanha, o ‘top performer’ de 2018, existem défices em todas as dimensões, sendo a dimensão ‘International Shipments’ aquela onde o ‘gap’ é menor e onde evoluímos mais nos últimos anos, fruto da evolução positiva dos portos nacionais.

Na vertente negativa, há uma diminuição de performance em customs e infrastructure, sendo de evidenciar os constrangimentos nos processos alfandegários, a burocracia e os tempos a ela associados, não sendo muitas vezes compatíveis com a necessidade de crescimento de uma economia que quer privilegiar a exportação, e por outro lado, ao nível das infraestruturas. Muito ainda há a fazer na intermodalidade e na eficiência das operações ao serviço de corredores e fluxos logísticos.

Em termos gerais, confirma-se a vitalidade do sector logístico nacional, embora os volumes de investimento reportado pelas empresas e as deficiências conhecidas no que tange a infraestruturas de transporte, em particular ferroviário, sejam preocupações importantes para um sector que será vital para materializar a ambição nacional de crescimento dos sectores produtivos, com especial foco na vertente de exportação.

Por outro lado, no que respeita à vertente interna, a busca constante pela eficiência, as mudanças ao nível dos hábitos e padrões de consumo, decorrentes da pandemia e de um anunciado período de reconstrução económica, colocam à logística interna das empresas e aos prestadores de serviços logísticos um conjunto de desafios, que se detalham no último capítulo deste estudo.

Ler mais
Recomendadas

SIC avança com nova emissão de obrigações no valor de 30 milhões com juro mais baixo

A empresa do grupo Impresa diz que se trata de uma oferta pública de troca parcial e voluntária de um milhão de obrigações com um valor unitário de 30 euros. 

Segundo maior acionista da REN quer vender participação de 12%

O Oman Oil Company SAOC quer vender os seus 12%. A empresa omanita avisa que o processo de venda ainda não foi iniciado e que nenhuma decisão formal foi ainda tomada. Participação vale mais de 190 milhões de euros.

Lisbon Bar Show tem regresso marcado para 16 e 17 de maio de 2022

Ao Jornal Económico, o organizador do Lisbon Bar Show calcula que o orçamento para este evento já ultrapasse um milhão de euros, incluindo a forte aposta dos expositores, na sua grande maioria produtores e distribuidores de bebidas alcoólicas e de acompanhamento dos respetivos ‘cocktails’.
Comentários