Transportes públicos: “Não há caos coisíssima nenhuma”, frisa ministro no Parlamento

O responsável governamental elogiou mesmo a iniciativa da empresa de transporte subterrâneo da capital de criar “mais espaço para malas” de viajantes e “carrinhos de bebé”, por exemplo, após ter recebido “inúmeras queixas”.

Tiago Petinga/Lusa

Perante a exigência de mais oferta de transportes públicos de quase todos os partidos, o ministro do Ambiente e Transição Energética negou hoje o “caos” no setor, num debate parlamentar sobre alterações climáticas de iniciativa de “Os Verdes”.

“Não é por dizer que há o caos que há o caos. Não há caos coisíssima nenhuma”, frisou Matos Fernandes, depois de o deputado único do PAN, André Silva, ter descrito “um quadro de pleno caos” no Metropolitano de Lisboa, à semelhança de outros parlamentares anteriormente, exemplificando com a medida anunciada de retirada de lugares sentados em carruagens e embarcações para acolher mais utentes.

O responsável governamental elogiou mesmo a iniciativa da empresa de transporte subterrâneo da capital de criar “mais espaço para malas” de viajantes e “carrinhos de bebé”, por exemplo, após ter recebido “inúmeras queixas”.

“Vêm dizer que andam a arrancar bancos? A área em metros quadrados nas carruagens não foi alterada por este Governo. Essa reforma não fizemos”, disse Matos Fernandes, em resposta a diversas intervenções por parte das várias cores políticas.

Em relação aos problemas noticiados nas ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa, o ministro do Ambiente também referiu que “assim que acabou a greve [de mestres das embarcações], deixou de haver qualquer problema nos transportes”, acrescentando que a empresa “tem um navio de folga e não navios a menos”.

O social-democrata tinha destacado que o setor dos transportes é responsável por cerca de 25% das emissões de gases com efeito de estufa em Portugal, descrevendo que existe um “degradar constante do serviço público de transporte, conduzido até à indigência”.

“Só falta colocarem ao serviço dos utentes vagões de mercadoria”, ironizou, criticando “cativações e falta de investimento” antes de anunciar que o PSD vai apresentar um “plano de emergência para este setor”, contemplando as manutenções do material circulante abandonado e a modernização e eletrificação de todas as linhas ferroviárias, por exemplo.

O democrata-cristão Hélder Amaral afirmou que “o ministro precisa de passar das palavras aos atos” e “não pode só prometer”, pois “promete muito, mas faz pouco”, lamentando o tratamento das pessoas “como sardinhas em lata”.

O bloquista Heitor Sousa salientou que “existe uma grande frustração e revolta” pelo facto de, tendo sido anunciado o programa de enorme redução das tarifas dos transportes, os passageiros estarem “agora a ser confrontados com uma enorme redução da oferta”, lamentando a solução de retirada de lugares sentados para colocar “as pessoas todas ao molho e fé em deus” para resolver a sobrelotação.

Os comunistas Bruno Dias e Ângela Moreira sublinharam que “valeu a pena insistir”, referindo-se à medida, há muito defendida pelo PCP, do alargamento do passe social intermodal, “de enorme alcance e significado e fundamental do ponto de vista ambiental e de promoção do transporte coletivo em detrimento do transporte individual” e pediram “mais investimento, ir mais longe, reforçar horários e carreiras”, além da contratação de mais pessoal.

Relacionadas

Grande Lisboa: Transportadoras dizem que reforçaram oferta para fazer face ao aumento de passageiros

A Fertagus está ainda a adaptar um novo horário para os comboios e a estudar a possibilidade técnica de comboios com uma quinta carruagem, para aumentar a capacidade do material circulante existente, uma medida que “implicará alterações no tamanho das plataformas de algumas estações e que nunca poderá ser operacionalizada em menos de dois anos”, segundo a empresa.

Passes da Área Metropolitana do Porto ganharam 14.600 novos clientes desde abril

De acordo com a TIP, que gere o tarifário Andante, dados recolhidos entre 20 de março e 30 de maio mostram ainda que 39.289 clientes deixaram os passes Zona 2 e 3 para comprar o metropolitano, que custa no máximo 40 euros mensais por utente.
Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.
Comentários