Três escolas de formação de executivos portuguesas entre as melhores do mundo

No ranking da formação executiva do “FT” 2019, a Nova SBE bate a Católica-Lisbon e o ISCTE sai. A Porto Business School sobe na categoria de programas Abertos e Costumizados.

Nova SBE, Católica-Lisbon e Porto Business School brilham nos ‘rankings’ da formação executiva do “Financial Times” de 2019. Pela primeira vez, a escola de Daniel Traça surge na dianteira da escola da Palma de Cima, obtendo uma melhor posição tanto nos programas Abertos como nos programas Costumizados. O ISCTE que em 2018 se estreou no 80.º lugar a nível mundial nos Programas Abertos este ano não está incluído na lista.

O ranking do “FT” resulta da avaliação anual dos dois segmentos da formação executiva: programas Abertos, onde qualquer candidato pode inscrever-se e programas Costumizados, ou ‘tailor made’, isto é, feitos à medida das necessidades específicas das empresas que os solicitam.

Nos programas Costumizados, a Nova SBE é este ano a 52.ª do mundo, subindo 10 lugares face a 2018, ano em que se posicionou em 62.º lugar. Nesta categoria, a Católica- Lisbon surge no lugar 54.º, que compara com o 42.º no ano passado. Presente no ranking de formação para executivos do “FT” desde 2011, a Porto Business School subiu este ano 11 lugares na tabela dos programas Costumizados, onde, em 2018, era 75.ª.

Os programas “à medida” são liderados em termos mundiais pela IESE Business School de Espanha, seguida da norte-americana Duke Corporation Education e da suíça IMD Business School.

Na categoria de “Open Programmes”, ou formação Aberta, a Porto Business School conquista uma classificação de destaque, sendo a 14ª escola de negócios do mundo que registou o maior crescimento nos programas abertos de formação para executivos.

Neste segmento da formação executiva, a Católica-Lisbon figura na posição 63, caindo 13 lugares face a 2018 ano em que foi 50.ª no mundo.

Em contrapartida, os programas da Nova SBE são os portugueses melhor classificados: 57.º lugar, exatamente o mesmo do ano passado.

Para estes resultados contribuem a avaliação em termos de número de clientes e participantes internacionais, bem como as parcerias estabelecidas com escolas de referência a nível global.

“Queremos oferecer a melhor formação para executivos e, por isso, este reconhecimento diz-nos muito”, afirma Ramon O’Callaghan, dean da Porto Business School num comunicado enviado às redações. E justifica: “Somos cada vez mais a escolha de quem procura programas relevantes e personalizados, que permitam desenvolver as competências necessárias para a gestão do presente, mas sobretudo do futuro, equipando indivíduos e organizações para serem percursores da mudança. Este resultado é um ‘voto de confiança’ dos nossos alunos e clientes, que são inquiridos para a elaboração deste ranking do Financial Times, e funciona para nós como um catalisador da nossa vontade permanente de evoluir na oferta que apresentamos, e que permite que alunos e empresas sejam agentes de transformação, em Portugal e no mundo”.

Na leitura de Céline Abecassis-Moedas, diretora para a Formação de Executivos da Católica-Lisbon, desde fevereiro deste ano, estes resultados são a confirmação que a escola continua a ser uma referência nacional e internacional para os executivos de topo. “Temos uma posição forte e a consciência de que precisamos de continuar a inovar numa perspetiva de melhoria contínua. É fundamental continuarmos a apostar na orientação para o cliente, isto é, estarmos constantemente atentos às necessidades das empresas, e dos mercados, e assim oferecermos serviços de formação alinhados com essas necessidades, e ao mesmo tempo trazer ideias novas ao mundo empresarial através de uma educação inovadora”.

Ler mais
Relacionadas

Digital ganha terreno na oferta formativa das escolas de negócios

Os executivos têm de estar cada vez mais preparados para um mundo que é digital, está inundado de dados e onde a concorrência é global. O Jornal Económico foi conhecer a oferta das escolas de negócios para executivos e gestores de hoje e conta-lhe o que encontrou.

Formação de Executivos: Programas abertos e costumizados estão a crescer

Responsáveis pelas principais escolas de negócios e de formação executiva nacionais explicam ao Jornal Económico como está a ser a procura dos programas e quais os temas dominantes, este ano.

Adrián Caldart: “Formação deve permitir ao executivo abrir a mente a novas perspetivas”

O professor da portuguesa AESE e da espanhola IESE, primeira escola do mundo em formação costumizada, defende maior proximidade das escolas de negócios à realidade empresarial como trampolim para a inovação.
Recomendadas

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

Premium“A classe média ainda não pode viver em Lisboa”

CEO e fundador da Essentia explica que, apesar de existir uma estabilização dos preços no mercado da reabilitação urbana, os portugueses que chegam ao centro histórico da cidade pertencem à “classe média alta e alta”.

Governo reforça camas para universitários

No âmbito do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior, as regiões do país ampliam a oferta de residências.
Comentários