Três eurodeputados portugueses vão escrutinar aplicação da ‘bazuca’ europeia

Na lista, composta por 27 eurodeputados de diferentes países, estão o social-democrata José Manuel Fernandes e o bloquista José Gusmão, aos quais se junta a eurodeputada socialista Margarida Marques enquanto suplente. 

O Parlamento Europeu escolheu três eurodeputados portugueses para acompanhar e escrutinar a aplicação das verbas dos Planos de Recuperação e Resiliência. Na lista, composta por 27 eurodeputados de diferentes países, estão o social-democrata José Manuel Fernandes e o bloquista José Gusmão, aos quais se junta a eurodeputada socialista Margarida Marques enquanto suplente.

O grupo de trabalho tem como missão avaliar os Planos de Recuperação e Resiliência de cada um dos 27 Estados-membros da União Europeia e o cumprimento das metas definidas para uma recuperação económica socialmente inclusiva e ambientalmente sustentável. Irá acompanhar também os procedimentos de pagamento, suspensão e rescisão, balizados no regulamento do Mecanismo de Recuperação e Resiliência.

Esse grupo de trabalho será “o principal órgão de preparação e acompanhamento” dos diferentes Planos de Recuperação e Resiliência e os eurodeputados que integram esse grupo vão ficar responsáveis também por reforçar o diálogo entre o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão, podendo, de dois em dois meses, convidar a Comissão para debater questões relacionadas com a “bazuca” europeia.

A primeira reunião do grupo de trabalho terá lugar já nesta quarta-feira, dia 21 de abril.

Elogios e críticas que os eurodeputados vão levar a discussão

O social-democrata José Manuel Fernandes participa neste grupo de trabalho depois de ter sido sido relator-sombra do regulamento do Mecanismo de Recuperação e Resiliência, o principal pilar do pacote de recuperação da União Europeia (UE) para fazer face à crise socioeconómica provocada pela pandemia de Covid-19.

José Manuel Fernandes tem defendido que a Covid-19 coloca a União Europeia num “momento crucial de decisão” e que é preciso enfrentar em conjunto os efeitos negativos da crise. Entende que a “bazuca” europeia é “uma oportunidade” que nenhum país deve desperdiçar e que nenhum Estado-membro, incluindo Portugal, deve fazer deste apoio “uma oportunidade perdida”.

No caso do Plano de Recuperação e Resiliência português, o eurodeputado do PSD tem dito que é apenas “uma fisga para a economia” e que a “bazuca” não acrescentar valor, “os ‘frugais’ dirão que tinham razão e recusarão uma segunda oportunidade”. Critica ainda o facto de Portugal ter acesso a 13,9 mil milhões de euros em subsídios e mais de 15 mil milhões de euros em empréstimos, mas só pretender utilizar 2,699 mil milhões.

Já José Gusmão foi relator-sombra do regulamento do Fundo de Recuperação. Para o bloquista, a chamada “bazuca” europeia tem “muito menos poder de fogo do que se supõe”, porque “mais de metade” do Mecanismo de Recuperação e Resiliência, instrumento central do Fundo de Resolução de 750 mil milhões de euros, é “composto por empréstimos a que vários países já disseram que não vão recorrer”.

Segundo o eurodeputado do grupo Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde (onde estão incluídos o Bloco de Esquerda e o PCP), essa decisão “agrava as desigualdades e a tendência de divergência entre os países do Sul, mais vulneráveis e mais afetados pela pandemia, e os países do Norte, com estruturas produtivas mais resilientes”.

Alerta ainda que o regulamento do Fundo de Recuperação “prevê a possibilidade de a Comissão suspender o envio dos fundos para países que não cumpram as recomendações do Semestre Europeu” que, segundo José Gusmão, foi usado em anos anteriores para “forçar os Estados-membros a adotar medidas de desregulação laboral ou cortes na despesa e investimento do Estado”.

José Gusmão indica, por isso, que no grupo de trabalho agora criado defenderá “uma implementação que favoreça a recuperação, a inclusão e a transição energética, sem desigualdades de tratamento ou agendas escondidas da Comissão”.

Ler mais

Recomendadas

Confederação do Turismo: abertura do corredor turístico com Reino Unido é “ótima notícia”

Questionado se está preocupado que a forte afluência de turistas nesta fase possa fazer aumentar o número de novas infeções por covid-19, o presidente da CTP afirmou que não, sustentando que tal se deve ao facto de “todos os turistas, sem exceção,” terem de apresentar “um teste negativo realizado nas 48 horas anteriores” a desembarcarem em qualquer um dos aeroportos nacionais.

Portugal recebe 55,5 milhões de euros de Fundo de Solidariedade da UE após novo aval do PE

Em causa está um ‘bolo’ total de 484,2 milhões de euros do Fundo de Solidariedade da União Europeia para ajudar regiões europeias atingidas por catástrofes, dos quais 397,5 milhões de euros se destinam a 17 países da UE e três países candidatos para enfrentarem a Covid-19.

Merlin vai investir 150 milhões de euros na plataforma logística de Castanheira do Ribatejo

Na cerimónia de inauguração deste emprendimento logístico, que contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita, o CEO da Merlin Properties revelou que o grupo dispõe de um total de ativos sob gestão que já ascendem a cerca de 12 mil milhões de euros, gerando um rendimento anual de cerca de 500 milhões de euros
Comentários