Tribunal de Lisboa vai contra a Relação e diz que Uber é legal

Juiza considera que atividade dos parceiros da Uber no país é legal. Multa aplicada a uma empresa foi anulada pelo tribunal.

Rafael Marchante/Reuters

O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa tem uma interpretação diferente do Tribunal da Relação quanto à atividade da Uber em Portugal, considerando que os parceiros da empresa no país prestam um serviço legal.
Segundo um acórdão de 7 de novembro a que o Jornal Económico teve acesso, uma juiza daquela instância validou um pedido de impugnação de uma multa, no valor de 6.000 euros, aplicada em abril deste ano a uma empresa parceira da Uber, por alegadamente não estar licenciada para prestar serviços de táxi, quando transportava clientes que haviam feito o pedido de viagem através da Uber. O Tribunal de Lisboa deu razão à empresa parceira da Uber e absolveu-a da multa.

Na fundamentação da decisão, a juiza considera que o serviço prestado por parceiros da Uber “é distinto e inovador do serviço de táxi”. No acórdão, o tribunal refere ainda que a atividade da Uber e dos parceiros não é regulamentada e, embora “essa regulação até seja necessária”, os parceiros da Uber não podem ser avaliados pelos mesmos diplomas legais a que os táxis estão obrigados.

“Sucede que, a evolução do mercado, motivada muitas vezes, como parece ser o caso, pela utilização generalizada da Internet como instrumento de acesso ao serviço final, determina o aparecimento de novas realidades, às quais não se pode aplicar, de forma acrítica, diplomas pré-existentes que visavam uma realidade distinta e incomparável daquela que a realidade e a inovação dos tempos veio a concretizar. Assim, a nosso ver, não é exigível aos prestadores do serviço de transporte que utilizam a aplicação UBER APP, que respeitem os requisitos legais, mormente a obtenção do alvará para a actividade de transportes em táxi”, sustenta a juíza.

Relação com interpretação contrária

Esta decisão Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa foi tomada poucos dias antes de o Tribunal da Relação ter manifestado uma posição contrária. O Tribunal da Relação de Lisboa declarou a atividade da Uber ilegal em Portugal, numa sentença datada de 24 de novembro, mas anunciada apenas esta terça-feira.

Esta instância rejeitou o recurso apresentado pela Uber, depois de a associação de taxistas ANTRAL ter apresentado uma queixa, reclamando uma indemnização de pelo menos 25 milhões de euros. Em abril de 2015, a Uber foi condenada a pagar dez mil euros por dia até que a decisão do juiz fosse cumprida, mas a empresa recorreu para o Tribunal da Relação, que assim confirma a sentença.

“Iremos analisar esta decisão em detalhe para avaliar próximos passos. Este é mais um capítulo de um caso do início de 2015 quando novas formas de mobilidade como a Uber começaram a surgir em Portugal”, disse fonte oficial da Uber.

A Uber lembrou ainda que continua sem existir regulamentação que enquadre a atividade de plataformas de mobilidade do género e voltou a pedir que o Parlamento acelere o processo.

“Esta situação reforça mais uma vez a urgência da aprovação pela Assembleia da República, de um quadro regulatório moderno e transparente para a mobilidade em Portugal, que vá ao encontro das expectativas dos milhares de utilizadores usam diariamente a Uber para viajar nas nossas cidades, e dos mais de 3.000 motoristas que encontram na Uber uma oportunidade económica”.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPequenos produtores vendem negócios para evitar falência

As pequenas empresas produtoras de vinho, que não exportam e dependem das vendas em restaurantes, “estão com problemas graves”, alerta o presidente da ViniPortugal, Frederico Falcão.

Caso EDP: Tribunal reduz para 100 milhões de euros caução aplicada ao administrador da REN

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) reduziu sexta-feira a caução a prestar pelo administrador da REN João Conceição, arguido no processo EDP, de 500 mil euros para 100 mil, considerando “algo frágil” a justificação do juiz Carlos Alexandre.

ASAE instaura 3 processos-crime e 10 de contraordenação por incumprimento de regras Covid-19

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) fiscalizou esta semana 97 operadores económicos o cumprimento das regras do estado de emergência, instaurando 10 processos por contraordenação e três processos-crime, dois por desobediência e um por contrafação.
Comentários