Tribunal rejeitou providência cautelar da Ordem dos Enfermeiros contra ministério da Saúde

A Ordem dos Enfermeiros avançou com uma providência cautelar a 6 de maio para suspender a sindicância.

Foto: Cristina Bernardo

A providência cautelar da Ordem dos Enfermeiros contra o ministério da Saúde foi rejeitada pelo tribunal, anunciou o Governo esta segunda-feira, 14 de outubro.

“O Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa decidiu pela improcedência da providência cautelar requerida pela Ordem dos Enfermeiros (OE) contra o Ministério da Saúde no âmbito do processo de sindicância determinada à OE a 16 de abril”, segundo o comunicado do ministério da Saúde.

A sindicância da Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS) teve início a 29 de abril, quando a Ordem dos Enfermeiros a avançar com a providência cautelar a 6 de maio para suspender a sindicância.

Em resposta, a ministra da Saúde, Marta Temido, apresentou junto do tribunal uma resolução fundamentada “no sentido da salvaguarda do superior interesse público, que permitiu à IGAS dar seguimento imediato à sindicância à OE”.

“A sentença hoje conhecida vem confirmar a legitimidade da sindicância determinada pela Ministra da Saúde, pronunciando-se pela inexistência de fundamentos que inviabilizassem a sua realização”, argumenta a tutela da saúde.

Recomendadas

Ricardo Salgado obrigado a pagar 3,7 milhões de euros após TC negar reclamação

Num acórdão de 14 de maio, após uma reclamação do ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES), o TC negou a pretensão de Ricardo Salgado mantendo o pagamento de uma coima de 3,7 milhões de euros e a impossibilidade de, durante 10 anos, poder exercer cargos em instituições financeiras e de crédito.

Isabel dos Santos pretende recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos no caso Luanda Leaks

Em causa está o arresto de contas bancárias da empresária Isabel dos Santos, “no âmbito de pedido de cooperação judiciária internacional das autoridades angolanas” no caso Luada Leaks.

Ministério Público acusa nove arguidos de crimes de corrupção em parcerias público-privadas

A Procuradoria-Geral Regional de Coimbra refere em comunicado publicado no seu ‘site’ que, de acordo com a acusação, estão envolvidos os municípios de Trancoso, Alcobaça, Sabugal e Gouveia, e uma pessoa coletiva dedicada à construção civil.
Comentários