Trincheiras, picadas e paragens de autocarro

Se o efeito da pandemia na economia é quantificável, traduzindo-se em indicadores arrepiantes apesar dos apoios públicos e da resiliência de empresários e trabalhadores, estão por apurar as sequelas nos portugueses.

Poucos são os países que só viveram duas guerras desde o início do século XX. Sem menosprezar a invasão japonesa de Timor-Leste ou o ponto final de séculos de presença colonial através da força das armas (nos antípodas das negociações para a entrega de Macau à China) na fortaleza de São JoãoBaptista de Ajudá, enclave no Benim, e dos territórios de Goa, Damão e Diu, integrados na Índia, Portugal foi fustigado pela Grande Guerra e Guerra do Ultramar.

Foram dois períodos, um deles longo e o outro longuíssimo, em que milhares de portugueses morreram em terras distantes, deixando o vazio do que nunca puderam ser e fazer. Muitos outros vieram com marcas físicas e mentais que limitaram o seu potencial e foram sentidas por quem esteve ou está por perto.

Quem já viu homens chegados ao inverno da vida chorarem perante um desconhecido ao recordarem o medo de morrer a qualquer instante, emboscados numa estreita picada africana, rodeada de mato alto – tal como os avós numa trincheira lamacenta europeia, ouvindo explosões cada vez mais próximas –, fica com a noção aproximada do que uma guerra implica.

Chegado a 2020 sem inimigo militar identificável, Portugal vai entrar numa nova fase da guerra contra a Covid-19. E se o efeito da pandemia na economia é quantificável, traduzindo-se em indicadores arrepiantes apesar dos apoios públicos e da resiliência de empresários e trabalhadores, estão por apurar as sequelas nos portugueses e portuguesas que, longe de trincheiras e picadas, esperam o medo na paragem de autocarro.

Recomendadas

Como estão hoje os idosos nos lares, alguém sabe?

Que avaliação terá sido feita dos resultados das políticas públicas que subsidiam os lares e que estão na raiz do estado em que estes se encontram? Que novas medidas foram implementadas e com que resultados?

Elas na construção das cidades

Em Portugal, o coletivo de ativistas Mulheres na Arquitectura tem tido um papel relevante no combate à invisibilidade das mulheres na profissão. Não se trata apenas de uma visão feminista da sociedade. O problema é político.

Rio: populista ‘responsável’ e politico ‘antipolítico’

Rio é o líder da direita que diz não ser de direita, o político profissional que tenta parecer ‘antipolítico’ e o populista que demonstra sentido de Estado.
Comentários