Trump cancela viagem à Dinamarca porque a Gronelândia não está à venda

Donald Trump ficou chateado por a primeira-ministra da Dinamarca anunciar que a ideia da compra da Gronelândia era “absurda” e que a maior ilha do mundo “não está à venda”.

O presidente dos Estados Unidos da América cancelou a viagem que tinha marcada, para 2 de setembro, à Dinamarca. Donald Trump levou o caso para o Twitter e afirmou que ia “adiar a visita que estava marcada para daqui a duas semanas para mais tarde”.

Apesar da visita de Estado oficial ter sido a convite da Rainha Margrethe II, Trump ficou chateado com as declarações da primeira-ministra da Dinamarca e recusa-se agora a visitar o país escandinavo.

Esta recusa deve-se ao facto de Trump ter afirmado que estava interessado em comprar a Gronelândia, algo que a primeira-ministra Mette Frederiksen descreveu como “absurdo”.

“A Dinamarca é um país muito especial com pessoas incríveis, mas com base nos comentários da primeira-ministra Mette Frederiksen, em que ela não tem interesse em discutir a compra da Gronelândia, vou ter adiar a nossa reunião marcada para daqui a duas semanas para outra altura”, escreveu o presidente na rede social.

Donald Trump descreveu que a compra da Gronelândia, território autónomo da Dinamarca, seria “essencialmente, um bom negócio”. “A primeira-ministra conseguiu economizar uma grande quantia em despesas e esforços, tanto para os Estados Unidos quanto para a Dinamarca, por ser tão direta”, sustentou o presidente.

“Agradeço-lhe por isso e estou ansioso remarcar para outro momento no futuro!”, conclui Donald Trump na rede social Twitter.

A sugestão de compra foi ignorada pelos responsáveis da Dinamarca e da Gronelândia. “A Gronelândia não está à venda, mas a Gronelândia está aberta ao comércio e à cooperação com outros países, incluindo os EUA”, sublinhou Kim Kielsen, primeira-ministra do território que Trump pretende adquirir.

Trump teria interesse na compra da Gronelândia devido aos seus recursos naturais, tal como carvão, zinco, cobre e minério de ferro. De acordo com o ‘The New York Times’, o presidente também estava interessado no “valor da segurança nacional” devido à sua localização. Ainda assim, o território ainda depende da Dinamarca para dois terços da sua receita orçamental.

Ler mais
Recomendadas

UE “preocupada” teme “riscos” de lei da segurança nacional em Hong Kong

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) reiteraram hoje a sua “preocupação” pela nova lei da segurança nacional imposta em Hong Kong pela China, admitindo recear os “riscos” na soberania da antiga colónia britânica.

Andrzej Duda mantém presidência da Polónia em eleição renhida

A Comissão Nacional Eleitoral revelou que Andrzej Duda foi reeleito presidente com 51,2% dos votos, a vitória menos expressiva na Polónia desde 1989.

Governo critica “falta de coerência” na UE por restrições a entrada de portugueses

O Governo criticou hoje a “falta de coerência” de alguns países da União Europeia (UE) nas restrições à entrada de cidadãos vindos de Portugal, devido à covid-19, afirmando esperar que a livre circulação seja reposta “nas próximas semanas”.
Comentários