Trump dá 45 dias à Microsoft para fechar aquisição da rede social chinesa Tik Tok

Microsoft anunciou no domingo que vai prosseguir diálogo com a dona do Tik Tok, depois de o presidente executivo da tecnológica, Satya Nadella, ter reunido com Trump. Na sexta-feira, o presidente dos EUA tinha anunciado a intenção de proibir o uso do Tik Tok nos Estados Unidos.

A Microsoft vai continuar as conversações para a possível aquisição da rede social chinesa Tik Tok nos Estados Unidos, segundo um comunicado divulgado no domingo. De acordo com a Reuters, o diálogo avança após o aval do presidente dos EUA, Donald Trump, que deu 45 dias à empresa fundada por Bill Gates e Paul Allen para chegar a um acordo. A Microsoft prometeu concluir todo o processo até setembro.

“A Microsoft vai avançar rapidamente para continuar as discussões com a empresa-mãe do TikTok, ByteDance, numa questão de semanas, e em qualquer caso completar estas conversações o mais tardar até 15 de setembro de 2020”, lê-se no comunicado da empresa norte-americana.

A decisão da Microsoft foi anunciada depois de o presidente executivo da tecnológica, Satya Nadella, ter reunido com Trump. Na sexta-feira, o presidente dos EUA tinha anunciado a intenção de proibir o uso do Tik Tok nos Estados Unidos.

De acordo com a agência Reuters, a autorização de Trump para que Nadella continue em conversações com a ByteDance para adquirir a rede social Tik Tok nos EUA, representa uma reviravolta em todo o processo, uma vez que a administração Trump considera que as empresas tecnológicas chinesas constituem um risco à segurança nacional norte-americana.

Devido à desconfiança de Donald Trump sobre as práticas das empresas chinesas, que tem contribuído para a degradação das relações entre Washington e Pequim, o negócio de aquisição da rede social Tik Tok nos EUA pela Microsoft tem sido acompanhado de perto.

Há na legislação norte-americana leis que permitem ao presidente dos EUA bloquear negociações ou transações de ativos entre empresas ou congelar bens, caso acredite que exista uma “ameaça invulgar e extraordinária” para a segurança nacional ou para a economia norte-americana.

Para já, o diálogo entre a Microsoft e a ByteDance tem por base uma proposta preliminar, que já foi comunicada ao Comité de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos. Em causa está a aquisição do serviço da TikTok pela Microsoft nos Estados Unidos, bem como no Canadá, na Austrália e na Nova Zelândia.

Caso o negócio se concretize, a Microsoft poderá entrar numa corrida direta com a Facebook, que detém as redes sociais Facebook, Instagram e WhatsApp. A rede social Tik Tok conta com 100 milhões de utilizadores só nos EUA. A Microsoft também detém a rede social LinkedIn.

Ler mais
Relacionadas

Donald Trump diz que vai proibir rede social chinesa TikTok nos Estados Unidos

“Eu tenho essa autoridade. Posso fazê-lo com uma ordem executiva”, sublinhou o Presidente norte-americano.

EUA avalia possível bloqueio ao TikTok e colocar a rede social na mesma ‘lista negra’ da Huawei

A Casa Branca deverá decidir dentro de um mês se avança com o bloqueio, de acordo com o Financial Times.

TikTok avaliado em mais de 42 mil milhões de euros

Investidores da chinesa ByteDance, empresa-mãe da aplicação, estão interessados numa posição maioritária. A avaliação supera a receita projetada para 2020, na ordem dos 850 milhões de euros, segundo avançaram fontes da “Reuters”.
Recomendadas

Mercado de centros de dados pode ultrapassar os 200 milhões de euros em 2026

Crescimento anual deverá rondar os 4,5% entre 2020 e 2026. Localização geográfica de Portugal com o resto da Europa e o continente americano possibilita uma maior abertura ao tráfego e armazenamento de dados.

Huawei lança loja online em Portugal

Depois das lojas físicas de marca própria, a Huawei vai abrir finalmente um loja online para o mercado português.

Possibilidade de moratórias de crédito serem prorrogadas é muito escassa, diz APB

Faria de Oliveira disse ainda que as moratórias não “são o fim da linha” e que as informações que lhe chegam dos bancos é de um “impacto muito reduzido” desde que terminaram as primeiras moratórias, o que aconteceu em 31 de março, com cerca de 86 mil famílias a retomarem o pagamento dos seus créditos à habitação este mês de abril.
Comentários