Trump visita a Rússia em maio de 2020

O presidente russo convidou Donald Trump para estar presente nas comemorações da 75ª vitória da URSS sobre a Alemanha. O presidente, que estará em campanha nessa altura, diz que, em princípio, vai.

Vladimir Putin

O presidente russo, Vladimir Putin, disse esta quinta-feira que espera que seu homólogo norte-americano, Donald Trump, visite a Rússia para marcar o dia da vitória dos aliados na II Guerra Mundial, que se comemora a 9 de maio, O líder russo disse ainda, citado pela agência Reuters, que Moscovo está pronta para conversar com Washington sobre todos os assuntos qde interesse comum.

Putin disse que seria “certo” que Trump participará num evento comemorativo em Moscovo para marcar o 75º aniversário da vitória na II Guerra Mundial, mesmo numa altura em que o presidente dos Estados Unidos estará em campanha eleitoral pela reeleição.

Putin preside tradicionalmente uma parada anual em 9 de maio para comemorar a vitória da União Soviética sobre a Alemanha nazi e aproveita a ocasião para mostrar o equipamento militar do país.

As comemorações da vitória são especialmente importantes para a Rússia, tal como eram para a União Soviética, dado que a II Guerra é considerada um dos grandes acontecimentos do país – onde morreram mais de 20 milhões de russos.

Trump disse na semana passada que estava a considerar participar nos eventos comemorativos depois de receber um convite do Kremlin.

Recomendadas

Espanha: se tudo correr bem, 19 de dezembro é dia de haver governo

Todas as forças políticas, Filipe VI incluído, querem apertar o calendário do novo governo. Só falta a ERC, que, liderada a partir de uma prisão em Madrid, não está com grande pressa.

Putin propõe aos Estados Unidos prolongamento do acordo nuclear START

O presidente russo diz que já se mostrou disponível para prolongar o tratado START, que limita o número de ogivas nucleares entre os dois países, mas que ainda não obteve resposta.

Trump recorre ao Supremo para manter finanças pessoais em segredo

O presidente pediu esta quinta-feira ao Supremo Tribunal que mantenha os seus registos financeiros fora do alcance do Congresso liderado pelos democratas.
Comentários