PremiumTurbulência acionista agita TAP

Rácio de dívida caiu para metade, passageiros aumentaram 65% e receitas subiram 40%. Mas estratégia de expansão e prejuízos dividem acionistas.

A TAP está novamente no centro do furacão, após o comentador Luís Marques Mendes ter expressado dúvidas, no seu espaço semanal na SIC, sobre a situação financeira da companhia. Dias depois, o “Jornal de Negócios” deu conta de que David Neeleman poderá sair da empresa na primavera do próximo ano, ao que o empresário norte-americano reagiu na terça-feira com uma declaração onde enalteceu o trabalho da gestão privada da TAP e rejeitou “especulações e outro tipo de manobras”.

Ao que o Jornal Económico apurou, a possibilidade de saída de Neeleman – que controla 45% da TAP, através da Atlantic Gateway – está em cima da mesa. Neste contexto, os elogios ao trabalho feito pela gestão da TAP desde a privatização e a sua garantia de que continua “entusiasmado” com a companhia constituem uma forma de valorizar a sua posição. “Se querem que Neeleman saia, vão ter de pagar”, resumiu uma das fontes contatadas pelo Jornal Económico. Outra fonte defendeu que, apesar das críticas que têm sido feitas à gestão, o turnaround realizado nos últimos anos vai começar a dar frutos e quem quiser comprar a posição de Neeleman terá de ter isso em conta.

O comunicado do empresário norte-americano levou a uma reação do ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, no dia seguinte. “Não sei de nenhuma saída do nosso acionista privado […], não existe nenhuma alteração societária, neste momento, prevista”, afirmou aos jornalistas o ministro que tutela a participação estatal na companhia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Confederações patronais querem alargar a mais PME taxa reduzida de IRC

Atualmente beneficiam desta taxa reduzida de IRC as empresas com matéria coletável até 15 mil euros e as duas confederações vão propor que esse limite suba para os 50 mil euros já no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

Margarida Corrêa de Aguiar: “Os PPR Pan-Europeus serão o novo produto de poupança”

“A menor generosidade dos incentivos, a queda da taxa de poupança e a ausência de oferta estruturada de poupança” explica a reduzida penetração de produtos de seguros nas poupanças das famílias, explicou a presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

Vista Alegre conclui aumento de capital com procura de 147% da oferta

O aumento de capital foi realizado através de um processo de accelerated bookbuilding foi concluído, tendo a VAA garantido um encaixe de 15,24 milhões de euros. Esta operação surge dias depois da Vista Alegre ter concluído uma emissão obrigacionista, que lhe permitiu pagar empréstimos à banca.
Comentários