Turquia vai devolver membros estrangeiros do Estado Islâmico aos seus países

O Governo turco anunciou hoje que vai começar a devolver membros estrangeiros do Estado Islâmico (EI) capturados aos seus países de origem, grande parte da Europa, na próxima semana.

O ministro do Interior da Turquia, Suleiman Soylu, disse hoje à agência noticiosa estatal Anadolu que os membros estrangeiros do grupo jihadista Estado Islâmico mantidos em prisões turcas serão devolvidos aos seus países de origem, a partir de segunda-feira.

O governante turco não especificou quais as nacionalidades abrangidas, mas confirmou que se refere aos mais de 1.150 membros do EI que o Presidente Recep Tayyip Erdogan disse na quinta-feira estarem ainda detidos em prisões turcas.

O Governo turco pede aos países, em particular aos europeus, que tomem as diligências necessárias para recuperar os seus cidadãos que se juntaram às fileiras do EI na Síria e que permanecem em prisões turcas pela relutância dos seus países de origem os tomarem de volta, por razões de segurança ou pela impopularidade da medida.

Contudo, não foi clarificado como é que a Turquia pretende enviar uma pessoa de volta a um país onde, tecnicamente, ele já não possui nacionalidade (por ter assumido o estatuto de cidadão do autodenominado Estado Islâmico).

Suleiman Soylu acusou ainda as milícias curdas no nordeste da Síria (que têm sido alvo de ataques do exército turco, desde a saída das tropas norte-americanas da região, no passado mês) de estarem a libertar famílias de membros do EI dos campos de detenção.

O ministro do Interior disse que cerca de 300 membros do EI, incluindo mulheres e crianças, foram novamente capturados pelo exército turco, durante a ofensiva militar contra as milícias curdas, nas últimas semanas.

Ler mais
Recomendadas

Eleições Guiné-Bissau: CNE confirma vitória de Embaló

A CNE rejeitou as reclamações apresentadas pelo representante da candidatura de Domingos Simões Pereira.

Covid-19: países vizinhos de Itália decidem manter fronteiras abertas

Uma reunião que juntou vários países considerou que o encerramento das fronteiras “seria um erro e [uma medida] desproporcional”.

OMS diz que o mundo não está preparado para enfrentar epidemia do Covid-19

O especialista da Organização Mundial de Saúde diz que “devemos estar prontos para gerir isto [uma epidemia] a uma grande escala, e isso deve ser feito rapidamente”.
Comentários