TV Pirata: PJ detém homem pela prática de Cardsharing

Detido mantinha em funcionamento uma estrutura própria, ilícita, de disponibilização do serviço protegido de TV, vendendo equipamentos especialmente adulterados para a receção do sinal codificado e disponibilizando os acessos e recebendo os pagamentos acordado. Com este procedimento, perto de 400 clientes acederam ilegitimamente ao sinal de TV pago.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, em aveiro, um homem de 40 anos, por manter em funcionamento uma estrutura própria, ilícita e com servidores na Alemanha e Itália, por si desenvolvida, de partilha pela Internet dos cartões de acesso a canais codificados do serviço pago de TV.  Um esquema que levou a angariar cerca de 400 clientes acederam ilegitimamente ao sinal de TV pago sem que os operadores recebam o preço devido.

“A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Aveiro, identificou e deteve um indivíduo com 40 anos de idade pela prática dos crimes de burla informática agravada, acesso ilegítimo, detenção e venda de equipamentos protegidos, usurpação de direitos de autor e fraude fiscal, cometidos através do método de ‘cardsharing’”, avança a PJ em comunicado.

Segundo a PJ, o detido mantinha em funcionamento uma estrutura própria, ilícita, de disponibilização do serviço protegido de TV, angariando os clientes, vendendo equipamentos especialmente adulterados para a receção do sinal codificado, disponibilizando os acessos e recebendo os pagamentos acordados. Para o efeito a estrutura compreendia servidores instalados fora do território nacional, na Alemanha e Itália.

Com este procedimento, avança o comunicado, cerca de quatro centenas de clientes acedia ilegitimamente ao sinal de TV pago sem que os operadores recebam o preço devido, em prejuízo destes e da Fazenda Pública pela não liquidação das correspondentes receitas tributárias.

No decurso das buscas efetuadas foram apreendidos “relevantes elementos de prova”, diz a PJ, destacando um sistema informático dedicado ao controlo dos acessos efetuados pelos “clientes” aos servidores dedicados ao “Cardsharing” e cerca de três dezenas de “set-top-box”, de receção do sinal satélite, adulteradas para disponibilizar o acesso ao sinal protegido.

O detido foi presente às Autoridades Judiciárias, na Comarca de Aveiro, para primeiro interrogatório judicial e fixação das adequadas medidas de coacção.

Ler mais
Relacionadas

Audiovisual: 70% das empresas portuguesas espera aumentar volume de negócios internacional

Mais de metade do volume de negócios do setor audiovisual gerado em 2017, em Portugal, resultou da atividade de produtores independentes.

Operadoras perdem mais de meio milhão por mês com TV pirata

As operadoras oficiais estimam em 600 mil euros o prejuízo causado pela fuga ao controlo e pagamento, através do uso de boxes ilegais em Portugal, noticia o Jornal de Notícias.
Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários